Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Gripes e Resfriados’ Category

sinus babyParece gripe, mas é sinusite II

Alguns profissionais de saúde têm divulgado que bebês não têm sinusite, porque os seios da face ainda não estão formados, contrariando até mesmo o diagnóstico de outros profissionais.

Vamos lá, estudar o assunto, e comprovar cientificamente que, sim, bebês e crianças menores podem ter rinossinusite.

Causas da sinusite
Fonte: NHS Choices – Inglaterra

A sinusite é causada por excesso de muco ou inchaço do revestimento dos seios da face e nariz.

Pode ocorrer devido a um resfriado ou gripe, ao frio, alergias (asma, rinite alérgica), pólipos nasais ou adenoides, irritação dos revestimentos dos seios faciais (por contato com cloro da piscina, fumaça de cigarros, poluição, etc.)

As bactérias se proliferam nos seios faciais, causando dor, dor de cabeça e algumas vezes febre. O muco infectado pode ser amarelo ou verde.

Os seios da face e a sinusite

Fonte: Seios da face – Anatomia – UNIFESP

Seio Maxilar

noses_children2Os seios maxilares, são os maiores dos seios paranasais, estão localizados no interior do osso maxilar, sendo normalmente segmentados por septos ósseos.

Aparecem como uma pequena canaleta no quarto mês de vida fetal.  Ao nascimento são pequenos e limitados (dimensões de 2 x 1 x 1cm),  à porção medial do osso maxilar. Com o crescimento expandem-se e ocupam larga extensão da maxila, alcançando seu máximo desenvolvimento após a segunda dentição.

Seio Frontal

Os seios frontais estão localizados no osso frontal. Estão ausentes ao nascimento e, esses sim, começam a se desenvolver após os dois anos de idade.

Seio Esfenoidal

Os seios esfenoidais possuem número variado. Rudimentares ao nascimento aparecem como pequenas evaginações das cavidades nasais. A partir dos dois anos de vida se tornam mais visíveis.

Seio Etmoidal

Os seios etmoidais já existem ao nascimento como pequenas cavidades cujo conjunto forma um labirinto.

Essas cavidades são pequenas antes dos dois anos de idade, e apresentam desenvolvimento rápido entre o sexto e oitavo ano.


healthtapRinossinusite em bebês e crianças

Fonte: Jornal de Pediatria – UNIFESP/EPM

Nos bebês e crianças (lactentes á partir de 01 ano de idade), as pequenas dimensões das cavidades ainda em desenvolvimento e o encurtamento da distância entre as superfícies mucosas e os óstios de drenagem atuam como facilitadores do desenvolvimento da rinossinusite.

Os sinais e sintomas mais frequentes nos quadros crônicos incluem obstrução nasal, cefaleia, irritabilidade, tosse diurna e noturna, secreção posterior e halitose.

Outras causas da rinossinusite: deficiência de imunoglobulinas, transitória ou permanente, alterações muco ciliares, fibrose cística e variados processos alérgicos.

Em análise recente de estudos publicados que avaliaram a relação entre asma e sinusite, concluiu-se que a inflamação dos sinos nasais pode provocar piora nas doenças das vias aéreas. O tratamento da sinusite em pacientes asmáticos acarreta melhora, embora a natureza exata dessa relação permaneça em discussão.

stuffynose newhealthyguideSinusite bacteriana em crianças

Fonte: Atualização da diretriz de diagnóstico e tratamento de sinusite bacteriana em crianças da Academia Americana de Pediatria.

A sinusite bacteriana aguda (SBA) é uma complicação comum que pode ocorrer após uma infecção de via aérea superior de origem viral ou na vigência de quadro inflamatório alérgico.
Cerca de 6 a 7% das crianças levadas a atendimento médico com sintomas respiratórios apresentam sinusite bacteriana aguda.

A maior parte das infecções das vias aéreas superiores pode causar febre e sintomas constitucionais como cefaleia e mialgia nas primeiras 24 a 48 horas, quando os sintomas respiratórios passam a ficar mais proeminentes.

Esse quadro infeccioso não dura mais que 5 a 7 dias, sendo o pico dos sintomas respiratórios entre o 3º e o 6º dias, quando passam a melhorar. Em alguns casos, os sintomas podem durar mais de 10 dias.

Rinossinusites bacterianas

Fonte: RBM Revista Brasileira de Medicina

A incidência das sinusites em crianças é bastante controversa, mas é certo que o processo inflamatório e infeccioso das cavidades paranasais pode ocorrer bem precocemente, logo que estas estejam formadas.

(Nota: formadas não é sinônimo de maduras. A formação é anterior ao nascimento).

whattoexpect_comO tamanho dos seios da face das crianças é relativamente pequeno comparado ao tamanho do óstio de drenagem, daí a retenção de secreções é dificultada.

No recém-nascido e no lactente, estão formados os seios maxilares e etmoidais, onde pode ocorrer a sinusite.

Nos pré-escolares, as sinusites maxilares são as mais comuns.

Os seios frontal e esfenoidal começam a se formar mais tardiamente e completam seu desenvolvimento por volta dos dez anos.

Devemos evitar novas crises ou impedir que o processo se torne crônico com a eliminação dos fatores predisponentes.

Assim, é importante manter sob controle os quadros alérgicos, avaliar adequadamente fatores como desvio septal, irritação por fatores ambientais, etc.

A asma e a tosse crônica são capítulos à parte. Há grande prevalência de rinossinusite deflagrando ou piorando a evolução destes quadros.

Sinusite em crianças (lactentes > 01 ano)

Fonte: OtoLab – Otorrinolaringologia Pediatrica – RJ

Geralmente, os quadros de sinusite ocorrem por complicações de resfriados ou crises alérgicas, em decorrência de obstrução nasal e do grande acúmulo de secreções.

Essas secreções depositam-se nas cavidades, normalmente são cheias de ar, facilitando o crescimento de bactérias causadoras da infecção.

Os sintomas mais comuns da sinusite são tosse, nariz entupido com produção de catarro amarelado e, eventualmente, febre e dor de cabeça.

Muitas vezes a tosse, principalmente ao acordar pela manhã, é o único sintoma da doença.

Repare que estes sintomas podem ser facilmente confundidos com um resfriado comum ou até mesmo com a rinite alérgica.  A diferença está no tempo de permanência dos sintomas.

Nos resfriados comuns, eles não ultrapassam sete dias, o que não acontece com a sinusite. Já na rinite alérgica, a congestão nasal vem acompanhada de coriza, espirros e coceira no nariz.

Conduta diagnóstica e terapêutica na sinusite da criança

Fonte: Jornal de Pediatria – Artigo de Revisão

(…) a padronização diagnóstica e terapêutica para o tratamento da sinusite conduz a uma redução no número de tratamentos antibióticos supérfluos.

Em especial, objetivamos a redução do uso inadequado dos antimicrobianos.

Como resultado final, pode-se obter a redução da resistência aos antibióticos e custos do tratamento.

Frequentemente essas indicações supérfluas de antimicrobianos são feitas para o tratamento de crianças com supostas sinusites bacterianas e outras infecções das vias aéreas.

blog_firstcryLeia mais
(com dicas de tratamentos naturais)
Parece gripe, mas é sinusite!!

Amamentação e antibióticos do leite materno

Leite materno e redução da resistência aos antibióticos

Outras fontes

Wald ER et al. Clinical practice guideline for the diagnosis and management of acute bacterial sinusitis in children aged 1 to 18 years. Pediatrics 2013 Jul; 132:e262.

Smith MJ. Evidence for the diagnosis and treatment of acute uncomplicated sinusitis in children: A systematic review. Pediatrics 2013 Jul; 132:e284.

http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/086.pdf

http://www.iapo.org.br/manuals/24-2.pdf

http://emedix.com.br/not/not2001/01abr02ped-wusn-mcw-sinusite.php

http://www.childrenshospital.org/conditions-and-treatments/conditions/sinusitis

Fotos
1.  Kids-ent (Michael Rothschild, MD)
2. Ent Technologies – Austrália
3. HealthTap
4. New Healthy Guide
5. What to Expect
6. University of Minnesota

Read Full Post »

images (2)O soro fisiológico é largamente utilizado por nossa sociedade desde outros tempos. Hoje em dia, basta um nariz entupido, para que ele apareça em cena.

Paliativo em tratamentos de gripes, resfriados e sinusites, soro fisiológico a 0,9% é recomendado para lavagens nasais frequentes, como se nosso corpo fosse apenas nariz.

O soro que conhecemos, ou solução salina a 0,9%, é composto por 9 g de NaCl (cloreto de sódio) para 1 litro de água.

Cloreto de sódio é a ligação de um átomo de cloro com um átomo de sódio, ou seja, o cloro também está ali, e mesmo desconsiderado, pode abalar o organismo quando em excesso, e em conjunto com o sódio.

A origem dessa composição salina ocorreu após surto de cólera na Europa, na metade do século XIX. Dali para frente, várias composições de água salina foram desenvolvidas.

Em estudo realizado na Inglaterra, “A história da salina 0,9%”, os autores concluíram que não existe, de fato, comprovação cientifica para a difusão da prática de pingar soro fisiológico no nariz à granel. O uso de salina 0.9%, na verdade, foi baseado em estudo de prática clinica com apenas um estudo in vitro.

Utilizado como descongestionante nasal, o soro fisiológico possui estudos que comprovam sua relativa eficácia, desde que em ação conjunta com outros medicamentos, ou seja, sozinho não funciona tão bem.

Mais essa: Eletrólitos!

Os eletrólitos são responsáveis pela condução dos impulsos elétricos pelas membranas dos nossos corpos.

Os eletrólitos mais importantes para nosso organismo são sódio, potássio e cálcio.

Os três possuem funções essenciais para o bom funcionamento dos nossos sistemas neurológico e cardíaco.

nefronSódio, cloro e sistema renal

O consumo excessivo de cloreto de sódio compromete sua capacidade de eliminação pelos rins. A capacidade humana de excretar esses excessos é muito limitada. Conforme LOBO (2004), “na evolução dos mamíferos não se contava com o consumo excessivo de sal (sódio) na alimentação”.

O sódio é o eletrólito mais conhecido de todos, por sua associação com os nossos batimentos cardíacos. É importante para a entrada de água em nossas células.

Os rins humanos são naturalmente lentos na excreção de sódio e cloro, obtidos através da alimentação, consumidos em excesso através de produtos industrializados e medicamentos.

Como consequência dessa eliminação lenta pelos rins, os íons de cloro e sódio aumentam na circulação sanguínea.

Esses excessos ocasionam em vários desequilibrios e na diminuição do pH do organismo, provocando acidez.

Essa acidificação, por sua vez, acarreta em diminuição nas concentrações de bicarbonato de sódio presentes no corpo humano. O bicarbonato de sódio tem como função principal alcalinizar o organismo.

A dificuldade de eliminação pelos rins resulta em acidez. Essa acidez provoca aumento de secreções pelo organismo.

Logo, um circulo vicioso se estabelece, com soro fisiológico para limpar o nariz utilizado indistintamente, aumento de secreções, mais soro, mais secreções, mais vaporizações e inalações com soro… Ao combater o desequilíbrio, nosso corpo produz mais secreções e catarro.

Ainda tem que esse acumulo de sódio  e cloro podem sensibilizar o sistema digestório, provocando azia, náuseas e võmitos.

Leia aqui um trecho do estudo elaborado pelo Centro Universitário São Camilo/SP, sobre o uso do soro fisiológico em larga escala nos dias atuais:

(…)a solução salina 0,9% não contém os outros minerais contidos no plasma, e não pode, portanto, ser considerada fisiológica. Grandes quantidades de solução infundidas  acumulam o Cloro e o Sódio, os quais o rim não tem capacidade de excretar rapidamente. (AWAD,et.al. 2008).

(…) Grandes volumes de solução. Salina a 0,9% ( 50ml/Kg em 1 hora), em pacientes saudáveis geram: desconforto abdominal, náuseas, letargia e diminuição na capacidade de raciocínio em responder a questões complexas. Estas alterações não foram notadas com a infusão da Solução de Hartmann na mesma quantidade e tempo. (LOBO, 2004)

Dicas:

1- UTILIZE O SORO FISIOLÓGICO COM MODERAÇÃO em bebês e crianças pequenas, para não super estimular a produção de secreções (e acidificar o organismo);

2- Ao ser aplicado, o soro pode refluir para o ouvido médio e provocar inflamação. A inflamação pode ser confundida com mais um sintoma da doença em tratamento;

3- Não utilize o soro gelado. Aqueça movimentando o frasco entre as mãos.

4- Pessoas com problemas cardíacos ou renais devem tomar cuidado com o uso de soro fisiológico indistintamente. O sódio retém água, elevando a pressão arterial e predispondo o corpo às doenças cardíacas e renais.

5 – Soro fisiológico é medicamento, portanto, só deve ser utilizado sob prescrição médica.

MEDIDAS NÃO-INVASIVAS PARA TRATAR A CONGESTÃO NASAL:

Experimente pomada de calêndula. A calêndula é cicatrizante, analgésica, combate micro-organismos nocivos e possui ainda outras 1000 utilidades.
Na congestão nasal, atua secando toda secreção e aliviando as dores.

Passe a pomada sobre os seios da face:

sinuses
Vaporização com ervas: Utilize um vaporizador colocando ervas como camomila, lavanda ou malva.

Eleve cabeceira do berço ou da cama em tempo integral.


FONTES:

SHERIF, Awad; ALLISON, Simon P.; LOBO, Dileep N. A História da Salina 0,9%. Division of Gastrointestinal Surgery, Wolfson Digestive Diseases Centre, Nottingham University Hospitals, Queen’s Medical Centre, Nottingham, UK.  In: http://www.quintessencia.com.br/pdf/nutri-txt2.pdf

UNESP CIÊNCIA. Sede de Sal. Mar 2011.
In:http://www.unesp.br/aci_ses/revista_unespciencia/acervo/17/sede-de-saldesidrata%C3%A7%C3%A3o

REDDI, Benjamin A. J. Adelaide University, Adelaide, Austrália. Por que a solução salina é tão ácida? In: http://www.medsci.org/v10p0747.htm

Read Full Post »

050712_0053_0170_jshsMeu bebê está gripado! Meu filho está com gripe!

Mas será que não é SINUSITE?

A sinusite é caracterizada por inflamação ou infecção dos seios da face ( vias respiratórias superiores).

Pode ser conseqüência de alergia a certos alimentos (como leite, soja…), fumaça de cigarro, mofo, odor de produtos de limpeza, perfumes, poluição, ar muito frio, ar condicionado do carro que leva poluentes ambientais para dentro do veículo, ar condicionado muito gelado…

Os seios da face são revestidos de membranas mucosas, que servem para aquecer, umedecer e filtrar o ar que entra pelas narinas e chega aos pulmões. São pares correspondentes de cavidades situadas no centro do crânio, atrás da parte superior do nariz, na testa (acima das sobrancelhas) e sob cada olho.

… ou Rinite?

Muito parecida com a Sinusite, também é inflamação crônica, porém, instala-se na mucosa nasal.

Possui várias causas, quase todas parecidas com as que acometem a sinusite: alergia a alimentos ou outra substãncia, ar poluído, poeira, mofo, ataque de vírus ou bactéria, fumaça e tudo o mais.

Que barulho é esse?

Colocando-se como personagem principal na ocorrência de doenças do aparelho respiratório, o muco, ou secreção, ou catarro, ou seja lá como for chamado é, na verdade, um agente do mal produzido por nosso próprio corpo, fazendo com que perca mais vitaminas e sais minerais do que deveria.

Cálcio e magnésio são seus alvos favoritos.

O que faz aumentar o catarro?

Se o organismo apresentar uma condição interna ácida, acaba por produzir ainda mais secreção.

Tudo o que vem do leite, ou contém o dito na fórmula, mais farinha branca (de trigo, utilizada na fabricação de pães e bolos), açúcar refinado, chocolate (rico em açúcar, gordura hidrogenada e leite), macarrão e amidos.

Já as frutas cítricas colaboram na medida em que auxiliam a liquefazer a secreção já existente, parada nos pulmões, entupindo os alvéolos.

Como a causa da dificuldade respiratória pode estar em uma alergia, evite alimentos prontos, em potinhos, que contêm acidulantes, sal ou açúcar como conservantes.

Procure incluir mais cenoura, mandioquinha e abóbora no cardápio. Ache outras formas de aumentar a vitamina A (betacaroteno), que reforça o organismo no combate a doença.

B6 e B12 são boas para quem tem asma por problemas alérgicos.

Ofereça alimentos ricos em Zinco, o que é relativamente fácil, pois há uma infinidade de alimentos ricos nele: cogumelo, batata, cebola, banana, abacate, lentilha, grão de bico, etc.Porém, deve-se cuidar com o excesso desse mineral, pois pode debilitar o sistema imunitário.

Deixe os suplementos vitamínicos de lado neste período, pois podem causar problemas estomacais devido ao açúcar e vitamina C da fórmula. Inclusive, estes produtos não possuem bioflavonóides, necessários para a absorção da vitamina pelo organismo.

Não coloque o bebê deitado antes de expelir o catarro. Eleve a cabeceira do berço ou da cama.

Criança pequena deve ficar deitada de lado, de preferência com o lado direito para cima. Se colocar catarro para fora, não tem risco de sufocar. Sentada com o corpo reto pode ter o muco que sai dos pulmões fazendo a trajetória de volta.

Não deite seu bebê após as mamadas, pois pode ocorrer refluxo do liquido para os ouvidos, causando otite.

Alho, cebola e gengibre devem ser utilizados para temperar as receitas, pois são todos mucocinéticos, ou seja, movimentam o muco tornando mais fácil sua retirada.

A substância que confere sabor ao alho, a alina, possui as mesmas características de uma droga conhecida como S-carboximetilcisteína, componente de um medicamento para retirar muco, vendido na Europa.A quercetina, encontrada na cebola, é um antiinflamatório potente contra a gripe, parecida com cromolyn, droga utilizada no combate a algumas alergias. Também é antibacteriana, auxiliando na asma causada por infecção bacteriana.Gengibre atua limpando a secreção, é antibacteriano, cura inflamação da garganta, destrói o vírus da gripe e é antidepressivo. Não causa qualquer mal ao aparelho digestivo, sendo indicado também em casos de náusea e enjôos constantes.

Nada de terrorismo. Para curar gripes ou bronquite ninguém precisa comer pedaços de alho ou cebola, que podem causar certa azia e gases nos menores. Utilize como tempero, um pouco de cada, em sopas e caldos apetitosos, saborosos e fortificantes.

A maçã é antibacteriana, anti-inflamatória e adstringente. Porém, pode dificultar a saída das fezes.  Tente abacate, brócolis, abóbora ou melancia.

Acrescente vitamina C através de folhinhas de coentro, salsinha, cebolinha ou manjericão, no tempero dos pratos. Coloque a erva picada após desligar o fogo e abafe.

O bom funcionamento dos intestinos é fundamental para a recuperação de todo doente. Houve épocas em que os supositórios eram receitados para os mais variados casos de convalescença. Prefira os alimentos que fazem o mesmo serviço.

Pomada de calêndula nos sinos da face e pescoço. A Calêndula alivia dores, é cicatrizante, alivia queimaduras, hematomas…

Vaporização com manjericão, alfazema ou lavanda são excelentes para o trato respiratório.

Para aliviar a tosse noturna, coloque uma cebola cortada ao meio, no quarto. Jogue fora pela manhã. Não coloque muito próxima á cama. O cheiro se espalha, não tem jeito…

Faça canja de legumes, colocando nabo, que é excelente para tratar as vias aéreas e inflamações.

Leia Mais
Explicando a sinusite em bebês e crianças

Fonte

Guia de Alimentação Infantil – com dicas de cuidados para crianças especiais – Nana Guimarães – 2003 (ISBN)


Read Full Post »

Esta, com certeza, é a mais popular das vitaminas.

Representante ativa do grupo é popular por fortalecer o sistema imunológico e ser antiinflamatória em casos de gripes e resfriados. Isso sem falar que também colabora no crescimento dos dentes, ossos, gengivas, ligamentos e vasos sanguíneos e na absorção de ferro.

Sua carência pode causar sangramento das gengivas, riscos da queda de dentes, perda de apetite, fraqueza muscular, hemorragias, anemia e cicatrização lenta.

Quase todos os alimentos frescos que conhecemos possuem vitamina C. Veja só: Brócolis, couve-flor, couve, espinafre, tomate, limão, morango, mamão, melão, laranja, fígado, batata doce, cebolinha, salsa, coentro, agrião, goiaba, manga, tomate, uva, pinha, pimentão, repolho, aspargos, peixes, kiwi, acerola, caju, graviola, abacate, abacaxi, ameixa, banana, castanha, coco, figo, cebola, alho

Cuidado com a ingestão contínua de pílulas de vitamina C, achando que esta vitamina se perde no xixi. Não é bem assim…

Excesso de vitamina C no organismo, dessas em cápsulas, artificiais,  pode prejudicar o estômago, causando alergias, gastrite, ou refluxo, devido ao acumulo de substâncias ácidas. Repare no rótulo dos alimentos industrializados que possuem ácido cítrico, utilizado como conservante.

****Para gripes e resfriados:

Chá de limão com alho, e outros horrores da medicina popular, podem ser excluídos do mapa. Também dá para substituir por algo mais gostoso e saudável que medicamentos açucarados.

Se não for cabeça dura, vai entender por quê a alimentação baseada em produtos frescos é melhor, e etc., e descobrir que “comida de doente” é a que ingerimos sem saber do que é composta. E ainda tem quem acredite que vitamina C só pode ser consumida através de cápsulas…

Conheça algumas opções: entre as campeãs no ranking da vitamina C, está o Camu camu, originário da floresta Amazônica (Amazônia, Rondônia, Peru, etc), com 2880 mg da vitamina em cada 100grs. A seguir, a acerola, ou cereja das Antilhas, que veio da vizinha América Central. Há pouco tempo, foi realmente descoberta também ao sul do Equador. Possui 100 vezes + vitamina C que a laranja e o limão, 20 vezes mais que a goiaba, e 10 vezes mais que o caju e a amora.

Atualmente, é bastante cultivada em diversas regiões brasileiras, principalmente o norte e o nordeste. Tanto sua polpa como a do camu camu são utilizadas em sucos, sorvetes, vinhos, licores, doces e pastilhas de vitamina C.. Veja a composição: além da famosa vitamina, têm também muita fibra, cálcio, ferro, niacina, fósforo e proteínas.

E o caju, abundante na região Nordeste, vem em segundo lugar, com vitamina C para dar e vender, assim como a goiaba, a manga e o mamão. Na verdade não é fruta, e sim o pedúnculo que cresceu demais. A fruta é a castanha.

Como a badalada laranja, a ingestão de todos merece cautela. Limão, nem precisa dizer. Tudo devido ao ácido cítrico, que machuca estômagos sensíveis. Agora, aproveite bem os temperos verdes. Use ao natural. Pique e jogue por cima da comida e usufrua de clorofila, de nossa amiga tão comentada e sais minerais á vontade.

O excesso de vitamina C, ao contrário do que se diz, não é totalmente eliminado na urina. Se o limite de dosagem diária for ultrapassado, pode causar problemas como diarréia, gases, refluxo gastro-esofágico e cálculos renais.

 Frutas cítricas como laranja, limão, tangerina, abacaxi, acerola, etc., possuem altas quantidades de ácido tri-carboxiílico, o notório ácido cítrico. São conhecidas produtoras de energia, mas também de forte acidez estomacal.

O mais importante é ter na cabeça as vitaminas que realmente colaboram nos períodos de convalescença e recuperação, e fazer uso delas através dos alimentos. As vitaminas A e C, o zinco e os bioflavonóides, são essenciais para o fortalecimento do sistema imunológico, e devem fazer parte de todo cardápio que visa o restabelecimento da saúde.

Os suplementos são feitos para agradar ao paladar das crianças, seu principal alvo consumidor. Por isso, contêm açúcar refinado ou adoçante artificial.

Para proteger o estômago, o ideal é tomar os suplementos com ele cheio, no final das refeições.

Fonte: Guia de Alimentação Infantil – com dicas de cuidados para crianças especiais. Guimarães, N. Ed Groud, 2003.

Read Full Post »