Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘CAFEÍNA’ Category

Read Full Post »

A cafeína é a substância psicoativa mais consumida no mundo.

No fundo, no fundo mesmo, é uma droga, na acepção da palavra. Droga porque a ingestão constante vicia. Droga porque altera o funcionamento do organismo, e nas crianças seus efeitos são maiores.

Em pequenas quantidades provoca a dilatação dos vasos sanguíneos, aumenta a circulação, acelera os batimentos cardíacos e a atividade cerebral, aguça alguns dos nossos sentidos e ainda promove aumento na secreção do suco gástrico.

Aliás, figura na lista das drogas estimulantes como a cocaína, as anfetaminas e os inibidores de apetites.

Presente em vários alimentos como os chocolates (teobromina), chá verde, chá mate, chimarrão e em bebidas á base de cola (coca, pepsi) ou no guaraná, a cafeína convive com a humanidade há séculos, e comprova a máxima de Paracelso:
A diferença entre o veneno é o remédio está na dose!!

Quando saber quanto é Demais?

No Brasil, não há limite estabelecido para o consumo de café por crianças. Os especialistas em saúde e nutrição falam em algo em torno de 1/4 de xicara, sendo 3/4 com leite.

Procurei e procurei, mas não encontrei a que xícara se referem (de chá ou a tradicional de cafezinho).  Nos EUA, também não há parâmetros de consumo.

No Canadá, o Ministério da Saúde recomenda não mais que 2,5 mg de cafeína por Kg de peso corporal.

Com base no peso médio das crianças daquela população, as definições para idades entre 4 e 12  anos é a seguinte:

  • 45 mg de cafeína/dia para crianças de 4-6 anos.
  • 62,5 mg de cafeína/dia para crianças de 7 – 9 anos
  • 85 mg de cafeína/dia para crianças de 10 a 12 anos

Uma lata de coca-cola fornece a uma criança, de 4 a 6 anos,  a quantidade máxima diária de cafeína.

Se for de guaraná, extrapola essa quantidade ainda mais.

 GUARANÁ possui 40 mg de cafeína em apenas

1 g!

Dizem que é quase 3 vezes mais que o café.

Logo, fica fácil para uma criança exceder os limites de ingestão de cafeína ao dia, sem que alguém se dê conta.

Em 2010, médicos da University of Nebraska Medical Center, realizaram uma pesquisa que constatou o seguinte: 75% das crianças americanas consomem muita cafeína ao dia, através dos refrigerantes.

Esse hábito interfere na média diária de sono dessas crianças (dormem menos), diagnósticos de hiperatividade, agitação e mau rendimento escolar.

Pode ocasionar também dores de cabeça, azia, dores de estômago, problemas cardíacos e respiratórios, nervosismo, irritabilidade ou  agitação motora.

Estudos recentes indicam que o consumo de cafeína maior que 150-200 mg por dia, pode levar á gravidez de alto risco, como comprovado em pesquisa epidemiológica realizada em Portugal.

As gestantes analisadas apresentaram maiores riscos de aborto espontâneo, má formação fetal, retardo do crescimento fetal e bebês baixo peso ao nascer.

Tomar café ou comer muitos chocolates enquanto amamenta também não é boa idéia, pois a cafeína ultrapassa a barreira mamária, da mesma forma que faz com a barreira placentária, podendo intoxicar o bebê.

E tem ainda:

1) As outras xantinas, parentes da cafeína, como a teobromina, do chocolate, e a teofilina, dos chás verde e preto;

2) Muitos medicamentos antigripais, analgésicos, antiinflamatórios e antitérmicos possuem cafeína em suas fórmulas.

Êta, cafezinho bom!?

Cafeína pode causar perda de apetite, o que não é nada bom para crianças, mas o problema mesmo é que traz outras complicações pois atua diretamente no Sistema Nervoso Central, causando alterações na percepção, humor, consciência, cognição e comportamento.

Exceder no consumo de café,  ou outros alimentos ricos em cafeína, pode prejudicar a absorção de cálcio pelo organismo e elevar os riscos de doenças ósseas, já que a mesma aumenta a excreção de cálcio pela urina.

E como se não bastasse:

Um novo estudo afirma que dar café aos bebês não irá mantê-los acordados, como no caso dos adultos.

Na verdade, a bebida quente tem efeito mais duradouro, e pode ser prejudicial aos padrões respiratórios na idade adulta.

O que dar, então?

Já sabemos que café, não pode.

Quais as opções?

Café descafeinado: Sempre tem alguma cafeína. Aqui no Brasil, com as inúmeras e corriqueiras falhas na fiscalização de tudo, podemos encontrar marcas que vendem dizendo uma coisa e fazendo outra. Logo, o nível permitido de cafeína pode estar muito acima!

Café de cevada: a cevada, mais conhecida pela produção de cerveja, é uma boa substituta do café. Sem cafeína, possui bons níveis de vitamina B e fibras. Estudos afirmam que é coadjuvante no tratamento de doenças coronárias e diabetes. No Brasil, há algumas marcas de café de cevada á venda;

Outras: oferecer sucos de frutas naturais ou chás de ervas (para os maiores, bem maiores), smothies, vitaminas, batidos de frutas, iogurte natural com frutas…

FONTES: 

Cafeína – Ballone GJ, Moura / Psiqweb

Foto 1 –  Jim Weber/ The commercial appeal


Read Full Post »