Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Aditivos quimicos’ Category

refluxoMãe sofre quando o filho não come, e ainda mais, no sentido literal da frase, quando não come porque não pode.

Lá no Medidas Dietéticas para tratamento do Refluxo (RGE), tem uma pequena lista do que não deve ser consumido por pessoas com problemas gástricos e digestivos, não apenas crianças.

Para muitas pessoas isso sempre foi meio óbvio, complicações gastrointestinais são causadas principalmente pelo que se ingere, não é? Mas sempre tem quem precise de evidências cientificas para entender a mensagem mais plenamente.

A Dra. Jamie Koufman, professora especialista em otorrinolaringologia de Nova Iorque  pensa o mesmo. E, por isso, á partir daí escreveu inúmeros estudos sobre o assunto.

O destaque, agora, são os resultados da sua última pesquisa, sobre a oferta de alimentos de baixa acidez para refluxo (benefícios e implicações).

“Os sintomas em 19 dos 20 indivíduos (95%) pesquisados melhoraram, e três participantes tornaram-se completamente assintomáticos.”
(In Estudo sobre refluxo gastroesofágico e consumo de alimentos acidificantes)

Leia resumo no PubMedLow-acid diet for recalcitrant laringopharingeal reflux

Muitos alimentos e outras substâncias estimulam a produção de ácido clorídrico e pepsina pelo estômago. Isso quer dizer que tornam nosso organismo ácido (ou mais ácido). São o que se chama de “alimentos acidificantes”.

Muito tempo sem comer, ou o consumo de produtos industrializados contendo aditivos químicos, também podem ocasionar em acidificação gástrica.

E as consequências vão desde vômitos constantes a diarreia, gazes, cólicas abdominais, flatulência, regurgitamento ou “refluxo”.

Se houver RGE (refluxo gastroesofágico), devido a alteração na válvula que separa esôfago e estômago, a acidez acaba por acelerar processos como a esofagite de refluxo.

refluxo - gastropesofágico - bebê = criançaÉ tudo junto e misturado!

Durante o processo de digestão dos alimentos ocorrem inúmeras reações e sínteses  de substâncias produzidas pelo nosso próprio organismo.

O suco gástrico é formado por água, enzimas, ácido clorídrico e outras substâncias secretadas pelas mucosas do estômago.

A pepsina é uma delas, e atua em conjunto com o ácido clorídrico na quebra de proteínas obtidas pela alimentação.

O consumo de alimentos ácidos provoca aumento na produção e excreção desses sucos. Como consequência, os alimentos ingeridos “sobem” até o esôfago (órgão que vai da boca ao estômago), causando queimação, azia, dores, aspiração dessas secreções para os pulmões e possíveis lesões nas mucosas dos órgãos de passagem.

A acidez dos alimentos também pode acarretar em desmineralização óssea.

Veja aqui: A secreção de HCl (ácido cloridrício) e pepsinogênio pelo estômago

Por isso, é necessário fazer com que o ácido estomacal pare de aumentar além do necessário, e invadir o esôfago, com o auxilio de medicamentos, e de alimentos que diminuam sua produção.

Obs. O próximo post será sobre os alimentos indicados

FONTE:

PubMed: Low-acid diet for recalcitrant laryngopharyngeal reflux: therapeutic benefits and their implications. Koufman, JA. National Center for Biotechnology InformationU.S. National Library of Medicine

Guia de alimentação infantil – com dicas de cuidados para crianças especiais – 2003

Mais do mesmo:


Read Full Post »

Pode dar para o bebê?

Pode, não!

Porque:

1) A maioria contém açúcar refinado. E açúcar refinado dá cáries.

Ainda mais quando a quantidade consumida ao dia é bem acima do estabelecido para um bebê, ou criança menor.

2) Já reparou nos Valores Diários mencionados nas embalagens?

Valores Diários são o equivalente à média padrão de calorias que uma pessoa deve consumir, estipulada em 2.000 Kcal para adultos.

Dificilmente você encontrará o correspondente para as crianças, que é  de 1.000 Kcal, para idades entre 1 e 2 anos, e 1.600 a 1700 Kcal, entre 3 e 8 anos.

Para bebês: de 6 a 8 meses, aproximadamente 600 Kcal.  Á partir dos 9 meses, 700 Kcal a 800 Kcal.

Se o VD% tem como base 2.000 Kcal, seu bebê ou filho menor está consumindo tudo muito acima, inclusive vitaminas. Algumas podem ser tóxicas em limites inadequados, como a vitamina A, por exemplo.

*Veja  o relatório do FNDE (Fundo Nacional de Alimentação escolar), o link está no final do post. A média de Kcal ao dia para crianças de 6 a 10 anos é de 1.776 Kcal/dia

3) Açúcar provoca cáries

É inevitável. Ainda mais quando vai na mamadeira noturna, antes do sono e sem qualquer limpeza bucal posterior, ou mesmo no copinho das crianças maiores.

Daí, não importa que seu filho, ou filha, tenha 9 anos ou mais. Como qualquer pessoa que possui dentes, sua saúde bucal corre riscos.

AS BEBIDAS À BASE DE SOJA, OS SUCOS ARTIFICIAIS E AS CÁRIES

Por conta da falta de prevenção as cáries surgem precoces, e atrapalham o desenvolvimento da criança.

Nos 10 passos para a alimentação saudável de crianças menores de 2 anos, está lá: “Não oferecer açúcar…”.Excesso de açúcar das bebidas á base de soja, colas, achocolatados ou guaranás consegue bater seus próprios records! Tudo para mascarar o sabor original da soja, do guaraná, do cacau…

Mas não pense que com o leite de vaca na mamadeira é diferente. Muitos “compostos” lácteos, vulgarmente chamados de “leite em pó”, não perdem em nada, no quesito açúcar refinado, para as bebidas à base de soja.

Vamos dar a palavra a quem sabe do assunto:

Relação doença Cárie-Açúcar :  Prevalência em crianças

 Departamento de Odontologia da Universidade Federal de Sergipe

A cárie dentária é uma doença multifatorial, infecciosa, transmissível e sacarose dependente.

Sacarose dependente: Depende da quantidade de açúcar e tempo deste em contato com os dentes, para se instalar.

Está intimamente ligada à introdução dos carboidratos refinados na dieta da população, principalmente a sacarose (açúcar da cana),  o dissacarídeo mais cariogênico, sendo este o mais presente na dieta familiar em quase todo o mundo.

Já nos estudos realizados para avaliar o potencial cariogênico de sucos de frutas artificiais, com ou sem soja,  pela Universidade de Minas Gerais, os resultados foram:

Arquivos em Odontopediatria – Universidade de Minas Gerais 

O objetivo deste trabalho foi avaliar 20 sucos de frutas industrializados, sob o ponto de vista do potencial erosivo e cariogênico. Avaliaram-se três parâmetros que podem contribuir para a possível perda de minerais dentários.

Quando pH, acidez e açúcares totais foram analisados em conjunto, percebe-se que a maioria dos sucos apresentou baixo pH, altas quantidades de carboidratos e elevada acidez, o que os tornam tanto erosivos quanto cariogênicos.

Os resultados permitem sugerir que, se consumidos com freqüência, estes sucos podem contribuir para o desenvolvimento de erosão e cárie dentária.

* Entre as vinte bebidas estudadas estão: Ades (laranja, maçã e abacaxi), Del Valle, Su Fresh, Kapo e Yakult Tonyu.

4) Onde a soja entra nessa história?

O consumo excessivo de soja não-fermentada, mesmo sem o açúcar, pode causar alterações hormonais (puberdade precoce) ou  prejudicar a absorção de outros nutrientes.

Crianças alérgicas não devem consumir soja em substituição ao leite de vaca.

Se o médico prescrever, procure outro que indique fórmula especial para alérgicos ao LV.

Procure também uma nutricionista que elabore cardápio rico em cálcio, sem caseína ou soja. 

Soja pode dar alergia cruzada. Começa bem, até que surgem os probleminhas (otite, roncos no peito, “gripinhas”…), ou problemões  (refluxo, pneumonia, asma…).

Caso tenha realmente que oferecer, procure pelas fórmulas á base de soja, não bebidas ou “leite” de soja para adultos.

5) Os bebês e os aditivos químicos

Não é difícil encontrarmos mães ávidas a oferecer industrializados aos filhos de… 4 meses!

O bebê mal entrou na alimentação complementar, precisa de leite, seja materno, ou fórmula, e já está consumindo produtos industrializados na mamadeira. E não apenas uma ao dia, mas duas, três, quatro…

A natureza do bebê é delicada e suave. Ainda não está preparada para lidar, digerir, quebrar moléculas de aditivos químicos variados,  açúcares ou outros adoçantes artificiais.

Veja aqui: Dossiê Pro teste – Perigo dos aditivos químicos para crianças

6) Mas não para por aí.

Se o fato de ter “um tantão” mais de açúcar, potencialmente cariogênico, no leite ou suco do seu bebê, não a assusta, então PENSE NO SÓDIO!

Aquele mesmo, o que causa problemas cardíacos ou renais.

Acredite, é muito sódio para um bebê ou uma criança.

 Em 200 ml do Ades original tem 190mg de sódio, e  6,5 g de açúcar.

Para completar, não dê  mamadeira (de soja ou LV), na hora de dormir.

Pela saúde dentária, e também dos ouvidos  ou do trato gastrointestinal (podem ocorrer otites ou refluxo).

Os dentes precisam ser limpos, do contrário, a cárie vai se instalar com maior facilidade.

LEIA MAIS EM:

Ai, meu dentinho!

Açúcar para o bebê, doces para as crianças… e o diabetes rondando

Soja para alérgicos ao LV? Cuidado!!

Consumo de soja e telarca precoce (aumento de mamas em crianças)

O LADO BOM DA SOJA

Fórmulas de soja para bebês não são seguras

Bebês brasileiros consomem produtos industrializados em excesso

Obesidade infantil: a culpa é da mamãe?

FONTES:

Análise do pH, acidez e açúcares totais de sucos de frutas industrializadas: Arquivos em Odontologia – vol. 44- nº 03/UFMG

Relação doença Cárie-Açúcar :  Prevalência em crianças: Pesq Bras Odontoped Clin Integr, João Pessoa, v. 4, n. 3, p. 199-203, set./dez. 2004

Referências Nutricionais para o Programa Nacional de Alimentação Escolar

 

Read Full Post »

Entre no site da Pro teste para saber mais:

Dossiê PRO TESTE

Os alimentos industrializados estão abusando da quantidade de aditivos, o que pode provocar inúmeros problemas de saúde – principalmente em crianças.

Os aditivos para alimentos são substâncias não-nutritivas que melhoram a aparência, sabor, textura e o tempo de armazenamento de alimentos.

Entre os males relacionados ao excesso de consumo, estão alergiaS, hiperatividade e câncer.

Há públicos que são ainda mais vulneráveis ao consumo dos aditivos.

É o caso de gestantes, idosos, pessoas que têm alimentação pouco variada e, principalmente, crianças menores de três anos.

Crianças não estão prontas para aditivos

O maior problema com a criançada é que os sistemas digestivo e urinário ainda não estão totalmente preparados para processar uma alimentação que traga aditivos.

Na saúde infantil, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e a Organização Mundial de Saúde recomendam que não sejam utilizados aditivos em produtos alimentares destinados a crianças.

Apesar disso, é importante ressaltar que há vários produtos no mercado para crianças menores de um ano que contêm aditivos, como iogurtes, gelatinas, refrigerantes, biscoitos, balas, dentre outros.

Alguns dos ADITIVOS PREJUDICIAIS Á CRIANÇAS E BEBÊS

ÁCIDO LÁTICO (INS 270)

Pode provocar perturbações metabólicas nos bebês devido à imaturidade do aparelho digestivo.

Principais Alimentos: Quase todos os produtos alimentares, principalmente, sucos e néctares, doces, geléias, biscoitos, e condimentos.

ÁCIDO TARTÁRICO (INS 334)

Em doses elevadas é laxativo e pode causar gastroenterites, bem como uma diminuição na absorção de cálcio no organismo.

Principais Alimentos: Presente em quase todos os alimentos, principalmente nos vegetais em conservas, produtos de confeitaria, doces e geléias, goma de mascar e alimentos para bebês e crianças.

BUTIL HIDROXIANISOL

Aumento do nível de colesterol e lipídeos sanguíneos. Aumento da síntese de enzimas digestivas no fígado, o que pode acentuar o catabolismo de substâncias como as vitaminas A e D. Possivelmente carcinógeno. Não pode ser adicionado a alimentos para bebês e crianças.

Principais Alimentos: Óleos e gorduras.

Potencial Alérgico: Sim. Risco de alergias e urticárias.

Read Full Post »