Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Bebê com gripe’ Category

sinus babyLeia a primeira parte desse artigo aqui:

Parece gripe, mas é sinusite! (2009) 

Alguns profissionais de saúde têm divulgado que bebês não têm sinusite, porque os seios da face ainda não estão formados, contrariando até mesmo o diagnóstico de outros profissionais.

Vamos lá, estudar o assunto, e comprovar cientificamente que, sim, bebês e crianças menores podem ter rinossinusite.

Causas da sinusite
Fonte: NHS Choices – Inglaterra

A sinusite é causada por excesso de muco ou inchaço do revestimento dos seios da face e nariz.

Pode ocorrer devido a um resfriado ou gripe, ao frio, alergias (asma, rinite alérgica), pólipos nasais ou adenoides, irritação dos revestimentos dos seios faciais (por contato com cloro da piscina, fumaça de cigarros, poluição, etc.)

As bactérias se proliferam nos seios faciais, causando dor, dor de cabeça e algumas vezes febre. O muco infectado pode ser amarelo ou verde.

Os seios da face e a sinusite

Fonte: Seios da face – Anatomia – UNIFESP

Seio Maxilar

noses_children2Os seios maxilares, são os maiores dos seios paranasais, estão localizados no interior do osso maxilar, sendo normalmente segmentados por septos ósseos.

Aparecem como uma pequena canaleta no quarto mês de vida fetal.  Ao nascimento são pequenos e limitados (dimensões de 2 x 1 x 1cm),  à porção medial do osso maxilar. Com o crescimento expandem-se e ocupam larga extensão da maxila, alcançando seu máximo desenvolvimento após a segunda dentição.

Seio Frontal

Os seios frontais estão localizados no osso frontal. Estão ausentes ao nascimento e, esses sim, começam a se desenvolver após os dois anos de idade.

Seio Esfenoidal

Os seios esfenoidais possuem número variado. Rudimentares ao nascimento aparecem como pequenas evaginações das cavidades nasais. A partir dos dois anos de vida se tornam mais visíveis.

Seio Etmoidal

Os seios etmoidais já existem ao nascimento como pequenas cavidades cujo conjunto forma um labirinto.

Essas cavidades são pequenas antes dos dois anos de idade, e apresentam desenvolvimento rápido entre o sexto e oitavo ano.


healthtapRinossinusite em bebês e crianças

Fonte: Jornal de Pediatria – UNIFESP/EPM

Nos bebês e crianças (lactentes á partir de 01 ano de idade), as pequenas dimensões das cavidades ainda em desenvolvimento e o encurtamento da distância entre as superfícies mucosas e os óstios de drenagem atuam como facilitadores do desenvolvimento da rinossinusite.

Os sinais e sintomas mais frequentes nos quadros crônicos incluem obstrução nasal, cefaleia, irritabilidade, tosse diurna e noturna, secreção posterior e halitose.

Outras causas da rinossinusite: deficiência de imunoglobulinas, transitória ou permanente, alterações muco ciliares, fibrose cística e variados processos alérgicos.

Em análise recente de estudos publicados que avaliaram a relação entre asma e sinusite, concluiu-se que a inflamação dos sinos nasais pode provocar piora nas doenças das vias aéreas. O tratamento da sinusite em pacientes asmáticos acarreta melhora, embora a natureza exata dessa relação permaneça em discussão.

stuffynose newhealthyguideSinusite bacteriana em crianças

Fonte: Atualização da diretriz de diagnóstico e tratamento de sinusite bacteriana em crianças da Academia Americana de Pediatria.

A sinusite bacteriana aguda (SBA) é uma complicação comum que pode ocorrer após uma infecção de via aérea superior de origem viral ou na vigência de quadro inflamatório alérgico.
Cerca de 6 a 7% das crianças levadas a atendimento médico com sintomas respiratórios apresentam sinusite bacteriana aguda.

A maior parte das infecções das vias aéreas superiores pode causar febre e sintomas constitucionais como cefaleia e mialgia nas primeiras 24 a 48 horas, quando os sintomas respiratórios passam a ficar mais proeminentes.

Esse quadro infeccioso não dura mais que 5 a 7 dias, sendo o pico dos sintomas respiratórios entre o 3º e o 6º dias, quando passam a melhorar. Em alguns casos, os sintomas podem durar mais de 10 dias.

Rinossinusites bacterianas

Fonte: RBM Revista Brasileira de Medicina

A incidência das sinusites em crianças é bastante controversa, mas é certo que o processo inflamatório e infeccioso das cavidades paranasais pode ocorrer bem precocemente, logo que estas estejam formadas.

(Nota: formadas não é sinônimo de maduras. A formação é anterior ao nascimento).

whattoexpect_comO tamanho dos seios da face das crianças é relativamente pequeno comparado ao tamanho do óstio de drenagem, daí a retenção de secreções é dificultada.

No recém-nascido e no lactente, estão formados os seios maxilares e etmoidais, onde pode ocorrer a sinusite.

Nos pré-escolares, as sinusites maxilares são as mais comuns.

Os seios frontal e esfenoidal começam a se formar mais tardiamente e completam seu desenvolvimento por volta dos dez anos.

Devemos evitar novas crises ou impedir que o processo se torne crônico com a eliminação dos fatores predisponentes.

Assim, é importante manter sob controle os quadros alérgicos, avaliar adequadamente fatores como desvio septal, irritação por fatores ambientais, etc.

A asma e a tosse crônica são capítulos à parte. Há grande prevalência de rinossinusite deflagrando ou piorando a evolução destes quadros.

Sinusite em crianças (lactentes > 01 ano)

Fonte: OtoLab – Otorrinolaringologia Pediatrica – RJ

Geralmente, os quadros de sinusite ocorrem por complicações de resfriados ou crises alérgicas, em decorrência de obstrução nasal e do grande acúmulo de secreções.

Essas secreções depositam-se nas cavidades, normalmente são cheias de ar, facilitando o crescimento de bactérias causadoras da infecção.

Os sintomas mais comuns da sinusite são tosse, nariz entupido com produção de catarro amarelado e, eventualmente, febre e dor de cabeça.

Muitas vezes a tosse, principalmente ao acordar pela manhã, é o único sintoma da doença.

Repare que estes sintomas podem ser facilmente confundidos com um resfriado comum ou até mesmo com a rinite alérgica.  A diferença está no tempo de permanência dos sintomas.

Nos resfriados comuns, eles não ultrapassam sete dias, o que não acontece com a sinusite. Já na rinite alérgica, a congestão nasal vem acompanhada de coriza, espirros e coceira no nariz.

Conduta diagnóstica e terapêutica na sinusite da criança

Fonte: Jornal de Pediatria – Artigo de Revisão

(…) a padronização diagnóstica e terapêutica para o tratamento da sinusite conduz a uma redução no número de tratamentos antibióticos supérfluos.

Em especial, objetivamos a redução do uso inadequado dos antimicrobianos.

Como resultado final, pode-se obter a redução da resistência aos antibióticos e custos do tratamento.

Frequentemente essas indicações supérfluas de antimicrobianos são feitas para o tratamento de crianças com supostas sinusites bacterianas e outras infecções das vias aéreas.

blog_firstcryLeia mais
(com dicas de tratamentos naturais)

Parece gripe, mas é sinusite!

Amamentação e antibióticos do leite materno

Leite materno e redução da resistência aos antibióticos

Outras fontes

Wald ER et al. Clinical practice guideline for the diagnosis and management of acute bacterial sinusitis in children aged 1 to 18 years. Pediatrics 2013 Jul; 132:e262.

Smith MJ. Evidence for the diagnosis and treatment of acute uncomplicated sinusitis in children: A systematic review. Pediatrics 2013 Jul; 132:e284.

http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/086.pdf

http://www.iapo.org.br/manuals/24-2.pdf

http://emedix.com.br/not/not2001/01abr02ped-wusn-mcw-sinusite.php

http://www.childrenshospital.org/conditions-and-treatments/conditions/sinusitis

Fotos
1.  Kids-ent (Michael Rothschild, MD)
2. Ent Technologies – Austrália
3. HealthTap
4. New Healthy Guide
5. What to Expect
6. University of Minnesota

Anúncios

Read Full Post »