Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Relactação’

Artigo: IBFAN Brasil

Em meados do século XIX há um aumento da influência dos médicos nos cuidados com as crianças.

Como consequência, o declínio da amamentação e a perda de seu conhecimento básico cresceram em paralelo.

A livre demanda foi substituída por rotinas “higiênico-educativas”.

Em 1867, Henri Nestlé declara sobre sua mistura de farinha de trigo tostada e leite condensado de vaca:

“Minha descoberta terá um futuro formidável, pois não há alimento que se compare à minha mistura de farinha.”

Ao surgir, o leite condensado foi considerado a solução milagrosa dos problemas da amamentação… “uma vaca na prateleira”.

Em 1890, médicos da Universidade de Harvard diluíram o leite de vaca e adicionaram compostos químicos variados, conforme as necessidades dos bebês de várias idades.

A indústria de alimentos passou a desenvolver outras inúmeras fórmulas genéricas, promovendo-as amplamente .

Com isso, as fórmulas personalizadas por médicos perderam lugar para as industrializadas, deixando um grande descontentamento no meio médico, que desaprovava seu uso.

A indústria acabou por reconhecer que o afastamento desses influentes profissionais ia contra seus interesses.

Assim, concordaram em não incluir instruções nas embalagens, e passaram a aconselhar as mães a procurarem seu médico antes de usar o produto.

Nasceu, assim, a associação médico-indústria.

Fonte:

Vantagens do Aleitamento Materno – Por que a amamentação é importante para o bebê? – IBFAN Brasil

Mais

Relactação – Como retornar à amamentação

Página: Amamentação

The baby killer – (SlideShare) – Mike Muller – Published and printed by War on Want, 1974.

 REVISÃO: Nutrição e Saúde Infantil
Dra. Mari Nascimento
Nutricionista

Anúncios

Read Full Post »

“A literatura internacional indica que cerca de 90% dos casos de alergia alimentar são ocasionados por apenas oito alimentos: ovos, leite, peixe, crustáceos, castanhas,
amendoim, trigo e soja.

Esses alimentos são reconhecidos como alergênicos de relevância
para a saúde pública pelo Codex Alimentarius, organismo da FAO e da OMS responsável
pela harmonização internacional de regras para alimentos, e por diversos países.”

Perguntas e Respostas sobre Rotulagem de Alimentos Alergênicos

Anvisa – setembro/2015

Alimentação e Saúde Infantil - Nutrição consciente desde a infância

Passei tantos anos acreditando que encontraria cálcio apenas em um copo de leite de vaca e derivados, que senti um grande receio ao pensar que aquilo teria que mudar.

Por “força das circunstâncias”, sacudi o comodismo preso em latas de leite em pó, e fui á caça desse mineral tão importante para o crescimento de um bebê.

Ainda estava presa áquela certeza de que o encontraria apenas em outro leite, que não o das vacas. Assim, passei a coletar informações necessárias sobre tipos de leite, e intolerância á lactose.

A ficha ainda não havia caído…

Ué?! Então existe mesmo cálcio fora do leite de vaca?

Era difícil de acreditar…ainda mais porque para onde me virasse ouvia a afirmação como verdade absoluta, vinda também de profissionais de saúde e nutrição.

Foi preciso que as indústrias começassem a lançar produtos na linha “sem lactose”, no país, para que se descortinasse o véu…

Ver o post original 75 mais palavras

Read Full Post »

PARA A RELACTAÇÃO,  será preciso:

*  Sonda nasogástrica nº 4 ou 5

É por onde o leite vai passar até chegar ao bebê.

* Seringa, mamadeira pequena ou (melhor opção) Frasco de nutrição suplementar\ ou frasco de nutrição enteral.

Esse frasco substitui a mamadeira ou a seringa, pois é de mais fácil manuseio, deixando as mãos livres.

Para a relactação o uso desse utensílio é melhor, pois faz com que o leite desça pela sonda com maior praticidade.

A mamadeira nem sempre permite a descida do leite satisfatoriamente.

A seringa pode acontecer de pressionar rapidamente soltando jatos na boca do bebê, ocasionando em engasgo.

* Fita adesiva para curativo, para prender a sonda junto ao seio. Procure as hipoalergênicas.

Pronto!

Depois de organizar os detalhes, comece a relactação:

Coloque a ponta da sonda por cima ou ao lado do mamilo.

Prenda a sonda com a fita crepe. Se achar mais confortável, segure firme, sem prender.

Se o bebê sugar muito rápido o leite do recipiente, arrume sonda de calibre menor, ou aperte com o dedo administrando a quantidade.

Ao Relactar, evite:

• Dar outro líquido ao bebê;

• Utilizar mamadeira. Nos momentos em que não relactar, utilize copinho ou colher para dar o leite, evitando a confusão de bicos;

• Aproveite quando ele estiver com fome, para que a aceitação seja maior;

• Se consegue ordenhar o leite para colocar no recipiente, bom. Caso nao seja possível, não há problemas. Dê o leite que o bebê está acostumado.O importante, agora, é a sucção do seio.

• Pingue o leite com seringa ou conta-gotas nos lábios do bebê, no mamilo e na aréola do seu seio, para que ele sinta o cheiro e o sabor, estimulando a pega;

• Realize todos os dias a ordenha do leite materno, de 2 em 2 horas, para estimular a produção.

Quando fazer a relactação

• Quando o bebê deixou o peito para usar  a mamadeira, e a mamãe quer voltar a amamentá-lo;

• Quando o bebê apresenta sucção pouco eficiente e baixo peso;

• Quando o bebê parece rejeitar o seio;

• Bebê prematuro que não consegue ordenhar todo o leite necessário para sua nutrição;

• Bebê doente – cardíaco e outros – que não podem fazer esforço;

• Portadores de síndromes, caso haja dificuldade;

• Recém-nascidos cujo leite da mãe não desceu;

• Mães que tomaram medicamentos para secar o leite e querem retomar a amamentação;

• Mamães adotivas que querem amamentar seus bebês.

Para quem ainda não sabe: O que é a Relactação?

Relactação é uma maneira simples de auxiliar as mamães que querem amamentar seus bebês, mesmo quando por motivo de força maior tiveram que parar de dar o peito, ou nunca deram (mães adotivas ou que tiveram problemas de saúde que as impediram de fazê-lo).

Aqui no Brasil, a relactação é mais conhecida graças ao trabalho de divulgação de instituições não governamentais que apóiam a amamentação (nacionais ou internacionais). No exterior, já é velha conhecida de algumas décadas.

Á partir dessas organizações é que a relactação tornou possível a realização do desejo das mães que querem amamentar seus filhos. Descobrindo ainda que não há motivos que impeçam uma mulher de relactar.

Completamente ligada á natureza femininaa relactação ativa hormônios (a ocitocina e a prolactina) que não apenas ajudam na produção do LM (leite materno), como o faz aumentar consideravelmente!

Muitas mães podem conseguir o mesmo apenas colocando o bebê para sugar o seio, em intervalos regulares, mas outras precisam de uma forcinha extra.

Experimente a Relactação também caso o médico “libere” fórmulas artificiais para seu bebê, entre outros motivos, porque:

1) Parece não ganhar peso (provavelmente porque a pega do seio não está correta, então ele ingere menos leite materno do que poderia);

2) Seu leite é fraco e não sustenta o seu filho (idem acima. Esse mito é o mais absurdo do rol de “motivos” para introduzir alimentação complementar precocemente)

3) Está com mastite ou rachaduras no seio, depressão pós-parto, tomando remédios que poderiam ser evitados, etc.

Para saber mais

Amamentação Adotiva

(para orientação e estímulo ás mães adotivas que desejam amamentar – em inglês)

Cómo relactar o inducir una lactancia

(orientação de como realizar a relactação – em espanhol)

Estudo realizado no Dpto. Pediatria da Unicamp – 1981

Já falamos do assunto antes:

Para tudo tem jeito! A prática da relactação

Read Full Post »

Relactação é uma técnica que, ao mesmo tempo em que supre a alimentação, incentiva a sucção no peito, levando o bebê a reaprender esse mecanismo.

Por sua vez, a sucção induz a produção do leite, pela estimulação dos hormônios prolactina e ocitocina.

O objetivo principal da Relactação é resgatar a Amamentação e a produção de leite diminuída ou perdida.

Indicada para bebês que:

• Deixaram o peito para usar  a mamadeira, e a mamãe quer voltar a amamentá-lo

• Com sucção pouco eficiente, ordenhando pouco leite e com baixo peso

• Que rejeitaram o peito

• Prematuros que não conseguem ordenhar todo o leite necessário

• Doentes – cardíacos e outros – que não podem fazer esforço

• Portadores de síndromes, caso haja dificuldades

• Recém-nascidos cujo colostro da mãe não desceu

• Mães que tomaram medicamentos para secar o leite e querem retomar a amamentação

• Com hipogalactia

nursingnook.net

Utensilios para a Relactação

Leite materno ordenhado ou leite artificial na falta do LM
Sonda Levine nº 4 (cateter estomacal, gástrico ou uretral)
Seringa descartável, mamadeira ou recipiente para armazenar o leite
Fita crepe para prender o cateter


Como proceder

Colocar uma das extremidades do cateter no recipiente contendo o leite materno ou artificial

Introduzir a ponta do cateter por cima do mamilo, cuidando para não ultrapassar a ponta do mamilo

Prender o cateter ao peito com fita adesiva

O recipiente com o leite deve ficar abaixo do nível da boca do bebê

Colocar o bebê no peito e verificar a pega ajustando da maneira correta

Se o bebê estiver ordenhando muito rápido o leite do recipiente, dobre a sonda para controlar o fluxo

Recomendações Importantes

1. Não ofereca mamadeira ao bebê

2. Em caso de complementar as mamadas ao peito, deve-se utilizar copinho

3.  Não dar outro líquido ao bebê

4. Buscar realizar o procedimento quando mãe e bebê estiverem calmos e relaxados

5. No início, não relactar quando o bebê estiver com fome

6. Utilizar no inicio o leite que o bebê está acostumado

7. Pingar o leite com seringa ou conta gotas nos lábios do bebê, mamilo e aréola da mãe, para propiciar estimulo dos sentidos (cheiro, sabor)

8. Realizar ordenha de 2 em 2 horas mesmo sem leite materno suficiente nas mamas, para estimular a produção

Fonte

Grupo Anjos da Amamentação. Equipe multidisciplinar e voluntária do Hospital Santa Lucinda/ PUC/SP. Sorocaba. São Paulo.

Fonte das Fotos:
http://www.lact-aid.com
http://www.nursingnook.net

Mais:

RELACTAÇÃO – COMO FAZER – TORNANDO A AMAMENTAÇÃO POSSÍVEL

Assistam!

Vídeo da Laurinha tomando leite materno no copinho, aos 10 dias:

Read Full Post »