Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘como fazer papinha bebê’

Todos os dias, produzimos entre 0,5 l  a 1,5l de gases.

Uma parte vem do ar que engolimos diariamente (ao comer, beber, falar ou respirar). A outra,  vem de uma combinação mais complexa.

Nos nossos intestinos habitam tantas bactérias quanto cabem,  se alimentando dos nutrientes que ingerimos.

Esses micro-organismos pagam hospedagem produzindo nutrientes benéficos para absorção de alimentos no nosso corpo, e defendem o terreno onde vivem, evitando que bactérias nocivas se instalem.

O intestino delgado não é capaz de absorver determinados carboidratos,  devido a ausência da enzima α-galactosidase.

Esses açúcares vão para o intestino grosso, onde estão alguns trilhões dessas bactérias.

Ali, liberam enxofre,  que se junta com hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, mais dióxido de carbono e metano dos nossos gases “naturais”,  deixando aquele odor característico da Flatulência.

Eliminamos parte dos nossos gases silenciosamente, em cerca de 15 flatos (em latim, sopros) diários,  durante o sono ou quando evacuamos.

Mas quando passam da conta, e chegam poluindo o ambiente, pode ser resultado de má absorção de carboidratos, ou aumento da atividade bacteriana local.

Carboidratos líderes na fomação de gases:

Rafinose

Feijões, lentilhas, ervilhas, brócolis, repolho…

Lactose

Açúcar do leite de vaca (e derivados).

Frutose

Cebola, pêra

Sorbitol

Frutas como maçã, pêra, pêssego e ameixas secas

Amidos

Batatas, trigo, macarrão, batata-doce

(O arroz é o único amido que não produz gases)

Fibras solúveis

Maioria das frutas muito doces, aveia, feijões, ervilhas

Mais:

Açúcar refinado (considere também o açúcar dos alimentos e sucos industrializados para crianças) , doces em geral, couve-flor, ovos, milho, cevada, queijos, sorvetes (pela gordura trans, oucreme de leite + leite), alimentos com lactose como pães, cereais e molhos para salada, sucos industrializados, alimentos com sorbitol como os dietéticos, balas e gomas sem açúcar.

A alimentação do bebê e os gases

Quando dar feijão para o bebê?

Se o seu bebê tem prisão de ventre, cólicas ou gases, evite as leguminosas como os feijões, que são ricas nos açúcares campeões de flatulência: a rafinose e a estaquiose. Para diminuir seus efeitos, siga a tradição: horas de molho e cozimento demorado.

Veja aqui uma explicação mais detalhada: Por que o feijão causa flatulência / Eduardo Canto (Ciências naturais -aprendendo com o cotidiano – Editora Moderna)

A fama da batata- doce

A digestão da batata-doce é mais demorada, favorecendo a fermentação no intestino grosso, devido ao amido de sua composição. Siga o procedimento abaixo, para diminuir seus efeitos desagradáveis. E oferte aos menores de 1 ano com moderação.

Batatas

Após cortar, deixe por alguns minutos de molho em água. Depois, despreze. Assim, retira parte do amido que pode prejudicar a digestão.

Cuidado com a carne vermelha…

De início, oferte apenas o caldo. A carne vermelha é de difícil digestão, lenta mesmo. Não tem fibras, e se for gorda é banquete para bactérias. Acabam por aumentar a flatulência.

… E  com as gorduras

especialmente das frituras,embutidos e carnes gordas.

Outros motivos:

Obesidade e comilança compulsiva, falar durante as refeições, não mastigar os alimentos, tomar líquidos quentes (café, chás, sopas), uso de canudinho para bebidas, respirar pela boca, intolerância á lactose ou ao gúten, bebidas gasosas…

Quando não recebem o tipo certo de alimentos, as bactérias ficam irritadas, e atacam as paredes dos intestinos, causando constipação e indigestão. (Professor Lars Munck/Universidade de Copenhagen)

Como controlar:

Cuide da flora intestinal após tratamentos com antibióticos, ou episódios de diarréia.

Utilize probióticos, de preferência os não industrializados.

Veja aqui: Alimentos fermentados: muito além dos  iogurtes!

Investigue doenças ocasionadas por deficiências enzimáticas como a intolerancia á lactose, ao gluten ou á sacarose.

Peça ao médico para investigar parasitose, também em adultos e idosos. Vermes como a giárdia tornam nosso organismo deficiente de algumas enzimas.

Evite refrigerantes e bebidas gasosas

Elimine os gases dos alimentos. Deixe de molho (grãos), hidrate (farelos e sementes), cozinhe por mais tempo ou GERMINE.

Para aliviar as dores:

Tente o costumeiro “deitar de bruços”.

Se não der certo, e as dores persistirem, massageie a barriga suavemente, em movimentos circulares, começando do lado esquerdo para o direito, terminando no esquerdo, abaixo do umbigo.

Faça “passinhos”, com as pontas dos dedos. Vai sentir as bolhinhas se movimentando no seu abdômem. Encaminhe para a saída (do lado esquerdo, sentido descendente, apenas depois de seguiros passos acima.

Também nos jovens adultos e idosos,  uma massagem pode levar ao caminho do alívio, e da cura.

Para os bebês, a massagem milenar indiana, conhecida por aqui como Shantalla, resolve á beça.

O link para o vídeo com a própria fazendo massagens em seu bebê, está aqui, é só clicar:

Cólica e prisão de ventre… ninguém merece!

Se o seu bebê é um golfador, ou tem sempre um ronquinho em algum lugar do corpo, ajude-o com um exercício fácil de respiração.  Aquele mesmo,
“aspire…inspire…aspire…inspire…”

Apenas mais um toque: coloque as mãos espalmadas, com o dedos para baixo, sobre a barriga. Deixe assim, quieta, por alguns segundos, retire, coloque novamente.

Ajuda mesmo na hora em que o “mardito” fica naquele sai e não sai, e os gases começam a uivar dentro de você. Ensinei meu filho a fazer esse toque. Logo ouço um “‘tá saindo, manhê! ” (hahaha).

Para crianças com necessidades especiais, os cuidados são mais intensos. Caso use fraldas, abra e empurre as pernas levemente de encontro ao abdome, algumas vezes.

Faça massagens diárias, para incentivar a movimentação dos órgãos.

Passe pomada de calêndula ou óleo de amêndoas na saída, com delicadeza, e a ajuda de um cotonete.

Estimule a evacuação emitindo onomatopéias como “rrrãaaammm” e as outras todas que usa na hora H. Lembre-se de respirar com uma mulher no parto. Aqui, costuma funcionar.

Cuide da alimentação!

Bactérias alteradas podem machucar as paredes dos intestinos, provocar gases, dores e constipação.

Já falamos disso:

Orientações Médicas para constipação

Fontes

COMPOSTOS NUTRICIONAIS E FATORES ANTINUTRICIONAIS DO FEIJÃO COMUM – Revista – Arquivos Ciências da Saúde / Universidade Paranaense (UNIPAR)

BIODISPONIBILIDADE DE MINERAIS DAS FONTES LEGUMINOSAS – Revista Simbio-logias (Revista Eletrônica de Educação, Filosofia e Nutrição) / Unesp/campus Botucatu

FLATULÊNCIA E ERUCTAÇÃO / GASES – ABC da Saúde – Informações Médicas

BACTÉRIAS INTESTINAIS E SISTEMA IMUNOLÓGICO – O Mundo das leveduras /Laboratório de Microbiologia da UNESP – Campus Rio Claro

Ilustração e texto prof. emérito Lars Munck / Universidade de Copenhagen

Tem gente que não entende…

Demissão por flatulência

Read Full Post »

Em 2005, a WABA ( The World Alliance for Breastfeeding Action) – Aliança Mundial Pró-amamentação, lançou a cartilha Do peito á comida caseira: Saúde a vida inteira!

Sempre atual,  o documento discorre sobre os benefícios incontestáveis da amamentação materna, e também da alimentação complementar bem elaborada logo no início.

Muitas mães não sabem, mas isso faz muito a diferença em futuro próximo.

DA AMAMENTAÇÃO EXCLUSIVA A COMIDA CASEIRA: CUIDANDO DA TRANSIÇÃO NO TEMPO CERTO

Quando começar?

Órgãos de saúde e proteção ás crianças no mundo todo recomendam que a alimentação  complementar deve acontecer no tempo certo, ser nutricionalmente adequada, segura e de acordo com as necessidades da criança.

Amamentação exclusiva é mais do que suficiente para satisfazer as necessidades nutricionais dos bebês até que eles completem 06 meses de idade (26 semanas).

Nesta fase, ocorrem vários marcos de desenvolvimento que tornam o bebê apto a comer alimentos macios e semi-sólidos.

Eles podem sentar-se, controlar a suas cabecinhas e levar a comida até a boca.

Seus sistemas digestivos e imunológicos se tornam também mais maduros.

Que alimentos oferecer?

Entre os 06 e 24 meses, crianças crescem rapidamente e precisam de mais energia, vitaminas e minerais, porém seus estômagos são relativamente pequenos (30ml/kg peso do corpo sobre o tamanho de um copo).

Neste período as crianças precisam de alimentos altamente nutritivos que propiciem muitos nutrientes em pouca quantidade de alimento (alimentos ricos em nutrientes).

Mesmo após os seis meses, oferecer outros alimentos para crianças amamentadas as expõem a uma nova fonte de potenciais infecções.

Crianças pequenas são particularmente vulneráveis a diarréia e infecções gatrointestinais.

A maioria dos episódios de diarréia em crianças tem origem na contaminação alimentar.

A boa higiene nas práticas alimentares é essencial para a alimentação de crianças pequenas.

DIETAS VEGETARIANAS E VEGETARIANAS SEM LATICÍNOS

Quando crianças pequenas são alimentadas com dietas vegetarianas ou vegetarianas sem laticínios, é importante assegurar que elas recebam os nutrientes necessários.

Dependendo da dieta, suplementos ou alimentos locais fortificados contendo ferro, zinco
e outros nutrientes podem ser necessários (principalmente suplemento de vitamina B12 para as dietas vegetarianas sem laticínios).

REFEIÇÕES E LANCHES

Refeições são ocasiões para alimentação com combinação de alimentos, por exemplo carne/legumes, o principal alimento consumido pela família (que pode ser o arroz e feijão, ou cuscuz, por exemplo) e verduras.

Lanches podem ser alimentos nutritivos que são convenientes e fáceis de preparar. Durante os lanches, os bebês podem se alimentar com suas próprias mãos através de, por exemplo, pedaços de frutas, pão com alguma pasta/manteiga, pedaços de queijo, etc.

ALIMENTOS QUE DEVEM SER EVITADOS

Frituras, empanados e “salgadinhos” são nutricionalmente pobres e muito salgados para crianças pequenas.

Comidas adocicadas, doces e refrigerantes são calóricos, mas não são nutritivos (calorias vazias).

Eles enchem os estômagos das crianças e diminuem seus apetites para alimentos nutritivos.

Eles também podem causar cáries quando os dentes começam a nascer.

Chás e cafés também enchem os estômagos das crianças.

(Nota do blog: também possuem fitatos que prejudicam a absorção de minerais importantes)

A sede pode ser saciada com leite materno ou água potável (ou fervida).

COMO INTRODUZIR OUTROS ALIMENTOS ENQUANTO A AMAMENTAÇÃO É CONTINUADA.

06-08 meses: Explorando a comida e começando a comer

Quando bebês amamentados começam a comer outros alimentos, é necessário que um novo tipo de resposta às necessidades e sinais das crianças seja estabelecido por suas
mães ou pessoas que cuidem delas.

A consistência e a textura dos alimentos, como eles são oferecidos e as quantidades
precisam mudar conforme as crianças crescem e aprendem como lidar com a comida em suas bocas, mastigam, a seguram, seguram uma colher e conforme conseguem se alimentar com as próprias mãos.

O que é apropriado aos seis meses não é o mesmo aos 12 ou aos 18 meses.

A alimentação de acordo com as necessidades das crianças refere-se a uma alimentação receptiva e envolve cuidados na ajuda e no encorajamento para as crianças comerem (sem forçá-las), alimentando devagar e pacientemente, experimentando oferecer diferentes comidas e minimizando distrações.

A amamentação sob livre demanda pode propiciar quase toda energia que bebês entre
06 e 08 meses precisam, então se eles mostram pouco interesse em comer, mas estão sendo amamentados freqüentemente, não há razão para ficar muito preocupada.

A partir dos seis meses, os dois nutrientes que os bebês precisam em maior quantidade do que proveniente apenas do leite materno são o ferro e o zinco, então a prioridade deve ser oferecer carne vermelha, suplementos ou comidas enriquecidas apropriadamente.

De início, bebês necessitam de comidas mais pastosas e macias que não requerem muita mastigação como purês grossos de carne, peixe, ovos, legumes, vegetais.

Alguns bebês também ficam felizes com pedaços de comidas macias como talos de verduras cozidas que eles podem segurar e sugar ou morder usando suas gengivas.

Crianças amamentadas são expostas aos sabores e gostos através do leite de suas mães.

Estudos sugerem que elas estão mais propensas a aceitar comidas que tenham o mesmo sabor dos alimentos ingeridos por suas mães.

Gradualmente a quantidade e a variedade de alimentos oferecidos podem ser  incrementadas, aumentando a oferta de refeições para duas ou três vezes por dia.

Nesta idade, não existe vantagem em oferecer outros alimentos numa freqüência maior que esta, pois tal atitude pode substituir a ingestão de leite materno diminuindo, assim, o consumo total de alimento dos bebês.

09-11 meses: Comendo Mais

Bebês maiores costumam comer mais, o número de refeições oferecidas pode aumentar para três ou quatro por dia, com um ou dois lanches, se necessário.

A amamentação em livre demanda deve continuar, mas é importante estabelecer um padrão regular de horários para as refeições.

Novos alimentos devem continuar a ser introduzidos para ampliar a variedade na dieta e de nutrientes consumidos.

12-24 meses: Adaptando-se ao padrão alimentar da
família

Em torno dos 12 meses de vida a maioria das crianças está fisicamente apta para comer os alimentos com consistência similar aos alimentos consumidos pela família.

É importante que elas tenham suas próprias porções/pratos, pois elas comem tão rápido
quanto os membros mais velhos da família.

Além disso, alguns alimentos ainda precisarão ser cortados em pequenos pedaços ou
amassados.

Baixe a cartilha em PDF, no site do Hospital Maternidade Interlagos

Do peito á comida caseira: Saúde a vida inteira

Quer saber mais? Clique nos títulos abaixo, e boa leitura!!

O INÍCIO DAS PAPINHAS DO BEBÊ

Como ordenhar e armazenar o leite materno

Download GUIA ALIMENTAR PARA CRIANÇAS ATÉ 02 ANOS _OMS/OPAS

Receitas primeiras papinhas (papinhas de frutas)

Baixe no 4shared Apostilas com Receitas de Papinhas e Sucos

Read Full Post »

A alimentação complementar deve ser iniciada aos 6 meses de idade, com a oferta de papinhas de frutas naturais ou legumes.

Escolha um dia e ofereça uma fruta raspada, amassada ou para que o bebê pegue com as mãozinhas e leve à boca (BLW – Baby Led Weaning), no meio da tarde (se em amamentação, quando são oferecidas apenas 3 refeições ao dia) . Bebês em aleitamento artificial iniciam com a fruta no meio da manhã. 

BLW

Uma rápida introdução: Corte a fruta em pedaços grandes, de preferência retire a casca (celulose pode acelerar funcionamento dos intestinos e afetar ganho de peso). Fique de olhos bem abertos. Realize o método apenas se sentir segurança, mas saiba que dificilmente ocorre engasgos, devido mecanismo realizado pelo bebê que impulsiona o alimento para fora. 

Como fazer

Varie as frutas em intervalos de dois a três dias. Observe se o bebê não apresenta alguma reação. Atente para dor de barriga, irritação, muito choro, manchas na pele, assaduras ou fezes moles…

Após cerca de uma semana, comece a oferecer papinha “salgada” na hora do almoço.

Não ofereça sucos de frutas ao bebê dessa idade.

Sua capacidade gástrica ainda é muito pequena, e comporta apenas o estritamente necessário para sua nutrição. E porque não precisa, de líquidos basta o leite (seja materno, seja artificial).

Se mesmo assim, ainda não se convenceu de que bebês menores de 1 ano não precisam de sucos e outros alimentos diluídos, saiba que é importante que se acostume ao  sabor natural das frutas, que possuem açúcar e são doces por natureza.

Para saber quanto dar de água aos bebês, amamentados ou não, veja aqui:
Quanto dar de água ao bebê e crianças maiores

As primeiras papinhas de frutas devem ser oferecidas pela manhã, aos bebês em aleitamento artificial.

Ao iniciar as refeições principais, almoço e jantar, bebês em aleitamento artificial devem receber um pedaço de fruta rica em vitamina C, para melhor absorção do ferro), caso não recebam suplementação desse mineral.

Para oferta de água, inicie com o copinho de transição nessa fase.

Veja aqui:

NO COPINHO É BEM MELHOR!!

Para bebês em aleitamento materno exclusivo, a primeira papinha deve ser oferecida no almoço ou meio da tarde.

Não há “lanche” para bebês amamentados ao peito.

O leite materno é nutricionalmente superior às frutas ou legumes, em quantidade e qualidade, especialmente nessa fase.

A água não é necessária, pois o leite materno além de fornecer todos os nutrientes, hidrata satisfatoriamente.

Então, resumindo:

Inicie a alimentação complementar com frutas raspadas ou amassadas, oferecidas em colher de silicone (evite as de metal que são frias e duras o suficiente para incomodar o bebê), ou BLW.

Frutas indicadas para a primeira fase:

Banana, mamão, maçã, pera, caqui, melão, manga…

Escolha apenas frutas naturalmente doces, evite as que necessitam da adição de açúcar.

As primeiras papinhas salgadas

Após praticamente seis meses tomando apenas leite, materno ou artificial, é chegada a hora de o bebê conhecer novos alimentos.

As papinhas salgadas devem ser oferecidas de forma gradativa, com paciência e em ambiente agradável.

Procure deixar o bebê seguro e confiante.

Monte um cardápio com horários e intervalos, sempre priorizando o aleitamento materno, que segue em livre demanda mesmo após as refeições. 

Lembre-se que seu bebê é um bebê, e precisa não apenas conhecer os alimentos mas, principalmente, é necessário observar as possíveis reações adversas que pode ter ao ser exposto a algum deles (cólicas, agitação, alergias ou intolerâncias…).

Procure amassar com garfo ou utilize um amassador de batatas, desses de preparo de purês.

Evite o liquidificador.

Muitos bebês, após 1 ano, apresentam dificuldades de mastigação por terem iniciado com alimentos diluídos batidos em liquidificador.

A regra para a combinação dos alimentos e elaboração das papinhas após o período inicial  (por volta de 1 mês a 40 dias do começo), é a seguinte:

1 – Energéticos: responsáveis pelo fornecimento da energia necessária para o crescimento e as atividades diárias da criança. Também auxilia no metabolismo da proteína.

Arroz, batata, mandioquinha, cará, inhame, batata-doce, mandioca, fubá…

2 – Construtores: ricos principalmente em proteínas, são responsáveis pela multiplicação das células.

Leguminosas, ervilha, lentilha, feijão (caldo) ou grão-de-bico e carnes (caldo)…

3 – Reguladores: regulam os processos bioquímicos do organismo, aumentam a resistência imunológica e fornecem fibras.

Alface, abóbora, brócolis, cenoura, couve, escarola, chuchu, abobrinha, vagem, quiabo…

Procure variar as verduras, com o uso de acelga, alface, agrião, chicória, catalonia, couve…

O Jantar

Assim que o bebê estiver comendo bem a papinha do almoço, e mais o lanche do meio da manhã (bebês em aleitamento artificial), comece a dar também o lanche no meio da tarde e, posteriormente, o jantar.

No jantar, deve-se oferecer o mesmo do almoço.

Porém, isso não quer dizer que deva requentar a comida dada anteriormente.

Alimentos deixados em geladeira, perdem valores nutricionais e podem causar problemas digestivos.

Evite sopas diluídas, faça as papinhas em consistência pastosa

Evite

Ovo: Não é necessário nessa fase. Proteínas adquiridas pelo ovo são obtidas pela amamentação ou consumo da fórmula artificial. Leite materno já possui albumina.

Caso decida oferecer ovo porque ajuda a evitar alergia a ele: Isso não é verdadeiro. Não há comprovação cientifica, sem conflito de interesses,  de que bebês expostos à proteínas alergênicas antes de 01 ano, ou após, não apresentaram reações a essas substâncias.

Se oferecer mesmo assim: no inicio, fracione a gema e ofereça. Evite o ovo inteiro, pois albumina da clara, assim como o cálcio, compete com ferro das refeições principais.

Leite da vaca integral: pode acarretar em anemia ferropriva.
Não confunda leite de vaca integral com fórmulas lácteas. São produtos diferentes.

Produtos industrializados: pelos aditivos químicos em quantidades muito superiores ao que um bebê pode suportar, além de açúcar refinado, xarope de milho, adoçantes artificiais e nutrientes também em quantidades superiores ao que um bebê deve ingerir ao dia, como o sódio. 

Temperos industrializados: contêm glutamato monossódico, excesso de sódio, corantes, etc.

Carnes de qualquer espécie: Não há qualquer necessidade de carnes para bebês que estão iniciando a alimentação complementar. Os leites materno e artificial suprem as necessidades de  proteínas e ferro necessárias ao dia.

Considere ainda suplementação e reservas hepáticas de vitamina B12 e ferro, que se estendem até próximo dos 08 meses.

Baixe aqui:

Guia alimentar para crianças menores de dois anos.
OMS/OPAS

Os dez passos da alimentação saudável para crianças menores de 2 anos

Papinhas – o que é bom saber / Alimentação infantil até 2 anos

Danoninho para bebês?

Mucilon para refluxo e bebês baixo peso?

Só pra variar: opções ao mucilon

Chega de mamadeira! No copinho é bem melhor!

Papinha do bebê – Alimentos de desmame

Papinha do bebê – Receitas de Farinhas caseiras (também para bebês alérgicos ao leite de vaca)

Meu bebê não quer comer – 0 a 06 meses

Meu bebê não quer comer – 06 a 12 meses

Soja e Telarca precoce – aumento das mamas

Soja para bebês e crianças?? Há controvérsias!!

Medidas Dietéticas para tratamento do Refluxo

Medidas Dietéticas para tratamento do Refluxo (Crianças maiores)

 

 

 

 

Read Full Post »