Feeds:
Posts
Comentários

whattoexpect_comEsse artigo foi plagiado!

Escrevi esse texto, e título, em 2001, quando minha filha estava com 3 anos.

Era parte do livro que publiquei em 2003, e após certo tempo entrou nesse blog.

Após uma longa e dura batalha, morando por meses em hospitais, finalmente descobrimos que minha filha sempre teve sinusite, que evoluía para doenças mais sérias, devido sua idade e condição física.

Bebês e crianças pequenas não cospem, não pigarreiam, acumulam muco e secreções, que podem fazer com que engasguem com facilidade. Certos mitos distanciavam essa compreensão.

Sem conseguirem administrar o catarro e salivação, acabam com ocorrências simples evoluindo para pneumonias, atelectasia e até mesmo bronquite, asma ou outra crise respiratória. Porque o ataque às vias aéreas superiores pode impedir que o ar chegue aos pulmões.

Infelizmente, esse artigo foi copiado por um site de grande porte, que por sua vez foi copiado por outro  blog chamado mães brasileiras.

O site que me copiou a primeira vez, corrigiu e se desculpou. Mostrou que a responsabilidade da cópia foi de uma uma pessoa que colaborava com ele, e  não do site em si.

Porém, após ser informada de ter copiado meu blog, por uma leitora, a autora do blog mães brasileiras reclamou no estilo “ladrão que rouba ladrão”.

Admitiu que copiou o titulo do outro site, com o qual eu já havia me resolvido, e me acusou de ter feito o mesmo.

Tanto título, quanto texto, foram escritos muito antes do surgimento do site e do blog mães brasileiras.

Sou muito ética, e jamais copiei ou plagiei quem quer que seja.

Jamais copiaria alguém, justificando meu ato com “outros também fazem”. Jamais!

Ainda aguardo que a responsável pelo blog mães brasileiras faça o mesmo. Procure se firmar na ética que bradou, e examine sua consciência, antes de acusar e difamar outras pessoas, como fez comigo até então.

Como meu único objetivo com esse blog sempre foi humanitário em todos os seus sentidos, fiquei sabendo do plágio muito recentemente, e apenas agora resolvi colocar minha posição.

 

Alimentação e Saúde Infantil - Nutrição consciente desde a infância

050712_0053_0170_jshs

Escrevi esse texto, e esse título  em 2001, quando minha filha estava com 3 anos.

Após uma longa e dura batalha, finalmente descobrimos que ela sempre teve sinusite, que evoluía para doenças mais sérias devido sua idade e condição física.

Infelizmente  o título foi copiado por um site de grande porte, que por sua vez foi copiado por outro  blog chamado mães brasileiras.

Em vez de resolver o assunto, após ser informada da cópia, o blog em questão reclamou no estilo “ladrão que rouba ladrão”… Porque o site q me copiou a primeira vez, corrigiu e se desculpou, mostrando q a responsa da cópia foi de uma pessoa  não do site em si.

Entretanto, o blog mães brasileiras não pensa o mesmo, e discute a ética alheia enquanto se apropria do que não é seu.

Tanto título quanto texto foram escritos antes de aparecerem no site, que resolveu a questão…

Ver o post original 930 mais palavras

Anúncios

1-26Na década de 1990, Heloísa de Freitas Valle iniciou a plantar bananas e criou uma infinidade de receitas com banana verde, sendo a mais famosa a da biomassa de banana verde.

Entre suas receitas, a carne de casca de banana passou batido, até que foi ressuscitada no ano passado, e copiada até por programas de TV.

Atualmente, a receita foi adaptada por vegetarianos e pode servir de substituta em vários pratos que pedem carne picada ou desfiada.

Receita original

Lave bem as bananas e cozinhe em panela de pressão por oito minutos.Separe a polpa da casca.
Coloque a casca de molho em água com limão por meia hora ou até que saia toda a oleosidade.
Corte com uma tesoura e repita o molho por mais 10 minutos.
Escorra a água.
A polpa que foi retirada no inicio utilize para processar, preparando a biomassa.
(receita de Heloisa Freitas do Valle)

images-3

Receita adaptada
Se não quiser preparar a biomassa, basta cortar as cascas de banana maduras em tirinhas finas.
Com auxilio de um garfo, passe na casca até cortar as tiras.
Deixe no molho de água com limão (ou vinagre de maçã que é fermentado e não tem álcool e aditivos como os comuns).

Depois basta seguir os passos abaixo:

Refogue cebola em fogo baixo até dourar.
Adicione temperos de sua preferência (orégano, curry, cúrcuma ou açafrão, etc.).

Acrescente azeitonas picadas, cogumelos fatiados, pimentão vermelho em tirinhas, cenoura ralada sem o miolo, tomates picados, berinjela em cubinhos, vagem ou quiabo em rodelas fininhas, sal, etc.

meat-crazy

Fontes:

Yes Nós Temos Bananas, Histórias e Receitas com Biomassa de Banana Verde – Heloisa de Freitas

Temos mais receitas aqui:
Biomassa de banana Verde

resistencia francesaAinda bem que sempre tem o pessoal da Resistência 😉

Devido a ameaça de contaminação das sementes de milho por sementes transgênicas, foi lançada uma campanha pela Rede de Sementes em parceria com a Juventude Camponesa do Polo da Borborema.

Essa animação visa alertar as formas e os riscos de contaminação do milho.

Fonte: aspta.org

temperoalternativo

Pegue a receita de Rejuvelac

E siga essa aqui, para preparar seu queijo vegano 🙂

Receita queijo de castanhas de caju

Veja aqui:
http://bit.ly/1XQ9x7R

O diagnóstico e os testes para aferição de sobrepeso e obesidade são controversos em crianças. O IMC na criança e no adolescente está relacionado com a idade e o estágio de maturação sexual.

Na prática, utiliza-se a medida do peso e da altura por serem facilmente obtidos no exame físico.

A criança e o adolescente obesos tendem a ser adultos obesos. 40% das crianças e 70% dos adolescentes obesos se tornarão adultos obesos.

Fonte
Telessaude

Consulte uma nutricionista para uma avaliação adequada. A alimentação é primordial para o desenvolvimento e crescimento das crianças.

sg_theasianparent_comLeia completo: Relactação e amamentação na Adoção
Dr. Karleen Gribble

Amamentar uma criança adotada é uma possibilidade que poucas pessoas estão cientes.

Não é necessário ter gerado seu filho, ou ter ovários,  para ser capaz de amamentar. E a amamentação pode ser uma experiência muito positiva tanto para a criança, quanto para a mãe.

O processo de produção do leite materno, em casos de amamentação adotiva, é bastante simples.

Durante a gravidez, os hormônios, incluindo estrogênio, progesterona e prolactina preparam os seios para produzir leite.

No entanto, o hormônio prolactina também é liberado em resposta à estimulação do mamilo. Níveis elevados de prolactina podem causar o desenvolvimento de estruturas produção e secreção do leite.

Os níveis de prolactina podem ser aumentados através da utilização de uma bomba elétrica para ordenha ou a amamentação de um bebê.

Uma vez que a secreção do leite materno começa, a saída deste mesmo leite através da sucção faz com que mais leite seja produzido.

O processo de indução da lactação chama-se relactação, trans lactação ou lactação induzida. É um processo normal e natural.

Evidente que relactação não ocorre apenas em amamentação adotiva. Mulheres que desmamaram seus filhos biológicos e desejam reiniciar a amamentação podem re-iniciar esse processo de produção do leite materno da mesma maneira.

E, literalmente, nunca é tarde demais!

Fonte
Australian Breastfeeding Association

Foto
Asosiasi Ibu Menyusui Indonésia

sistema-digestivo-2-1024Segundo e-mail que circula há mais de uma década pela internet:
“(…) As frutas passam rapidamente pelo estômago, dali indo para o intestino, onde liberam seus açúcares. Mas se houver carne, batatas ou amidos no estômago, as frutas ficam presas lá e começam a fermentar”.

Só que não!!

🙂

Vamos ver como realmente acontece a digestão dos alimentos?

Mundo de Beakman: A digestão 

E para completar, se tiver estômago… 🙂 … veja o vídeo com o caminho completo realizado pelos alimentos no sistema digestório:

A digestão começa na boca

“A digestão dos carboidratos inicia-se pela boca.

O estômago, pela ação do ácido clorídrico, é responsável pelo inicio da digestão das proteínas.
O intestino delgado completa e realiza a maior parte da digestão química de todos os alimentos”

Fonte

Herrera, et al. Química de Alimentos: Manual de Laboratorio