Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘dor de barriga’

Todos os dias, produzimos entre 0,5 l  a 1,5l de gases.

Uma parte vem do ar que engolimos diariamente (ao comer, beber, falar ou respirar). A outra,  vem de uma combinação mais complexa.

Nos nossos intestinos habitam tantas bactérias quanto cabem,  se alimentando dos nutrientes que ingerimos.

Esses micro-organismos pagam hospedagem produzindo nutrientes benéficos para absorção de alimentos no nosso corpo, e defendem o terreno onde vivem, evitando que bactérias nocivas se instalem.

O intestino delgado não é capaz de absorver determinados carboidratos,  devido a ausência da enzima α-galactosidase.

Esses açúcares vão para o intestino grosso, onde estão alguns trilhões dessas bactérias.

Ali, liberam enxofre,  que se junta com hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, mais dióxido de carbono e metano dos nossos gases “naturais”,  deixando aquele odor característico da Flatulência.

Eliminamos parte dos nossos gases silenciosamente, em cerca de 15 flatos (em latim, sopros) diários,  durante o sono ou quando evacuamos.

Mas quando passam da conta, e chegam poluindo o ambiente, pode ser resultado de má absorção de carboidratos, ou aumento da atividade bacteriana local.

Carboidratos líderes na fomação de gases:

Rafinose

Feijões, lentilhas, ervilhas, brócolis, repolho…

Lactose

Açúcar do leite de vaca (e derivados).

Frutose

Cebola, pêra

Sorbitol

Frutas como maçã, pêra, pêssego e ameixas secas

Amidos

Batatas, trigo, macarrão, batata-doce

(O arroz é o único amido que não produz gases)

Fibras solúveis

Maioria das frutas muito doces, aveia, feijões, ervilhas

Mais:

Açúcar refinado (considere também o açúcar dos alimentos e sucos industrializados para crianças) , doces em geral, couve-flor, ovos, milho, cevada, queijos, sorvetes (pela gordura trans, oucreme de leite + leite), alimentos com lactose como pães, cereais e molhos para salada, sucos industrializados, alimentos com sorbitol como os dietéticos, balas e gomas sem açúcar.

A alimentação do bebê e os gases

Quando dar feijão para o bebê?

Se o seu bebê tem prisão de ventre, cólicas ou gases, evite as leguminosas como os feijões, que são ricas nos açúcares campeões de flatulência: a rafinose e a estaquiose. Para diminuir seus efeitos, siga a tradição: horas de molho e cozimento demorado.

Veja aqui uma explicação mais detalhada: Por que o feijão causa flatulência / Eduardo Canto (Ciências naturais -aprendendo com o cotidiano – Editora Moderna)

A fama da batata- doce

A digestão da batata-doce é mais demorada, favorecendo a fermentação no intestino grosso, devido ao amido de sua composição. Siga o procedimento abaixo, para diminuir seus efeitos desagradáveis. E oferte aos menores de 1 ano com moderação.

Batatas

Após cortar, deixe por alguns minutos de molho em água. Depois, despreze. Assim, retira parte do amido que pode prejudicar a digestão.

Cuidado com a carne vermelha…

De início, oferte apenas o caldo. A carne vermelha é de difícil digestão, lenta mesmo. Não tem fibras, e se for gorda é banquete para bactérias. Acabam por aumentar a flatulência.

… E  com as gorduras

especialmente das frituras,embutidos e carnes gordas.

Outros motivos:

Obesidade e comilança compulsiva, falar durante as refeições, não mastigar os alimentos, tomar líquidos quentes (café, chás, sopas), uso de canudinho para bebidas, respirar pela boca, intolerância á lactose ou ao gúten, bebidas gasosas…

Quando não recebem o tipo certo de alimentos, as bactérias ficam irritadas, e atacam as paredes dos intestinos, causando constipação e indigestão. (Professor Lars Munck/Universidade de Copenhagen)

Como controlar:

Cuide da flora intestinal após tratamentos com antibióticos, ou episódios de diarréia.

Utilize probióticos, de preferência os não industrializados.

Veja aqui: Alimentos fermentados: muito além dos  iogurtes!

Investigue doenças ocasionadas por deficiências enzimáticas como a intolerancia á lactose, ao gluten ou á sacarose.

Peça ao médico para investigar parasitose, também em adultos e idosos. Vermes como a giárdia tornam nosso organismo deficiente de algumas enzimas.

Evite refrigerantes e bebidas gasosas

Elimine os gases dos alimentos. Deixe de molho (grãos), hidrate (farelos e sementes), cozinhe por mais tempo ou GERMINE.

Para aliviar as dores:

Tente o costumeiro “deitar de bruços”.

Se não der certo, e as dores persistirem, massageie a barriga suavemente, em movimentos circulares, começando do lado esquerdo para o direito, terminando no esquerdo, abaixo do umbigo.

Faça “passinhos”, com as pontas dos dedos. Vai sentir as bolhinhas se movimentando no seu abdômem. Encaminhe para a saída (do lado esquerdo, sentido descendente, apenas depois de seguiros passos acima.

Também nos jovens adultos e idosos,  uma massagem pode levar ao caminho do alívio, e da cura.

Para os bebês, a massagem milenar indiana, conhecida por aqui como Shantalla, resolve á beça.

O link para o vídeo com a própria fazendo massagens em seu bebê, está aqui, é só clicar:

Cólica e prisão de ventre… ninguém merece!

Se o seu bebê é um golfador, ou tem sempre um ronquinho em algum lugar do corpo, ajude-o com um exercício fácil de respiração.  Aquele mesmo,
“aspire…inspire…aspire…inspire…”

Apenas mais um toque: coloque as mãos espalmadas, com o dedos para baixo, sobre a barriga. Deixe assim, quieta, por alguns segundos, retire, coloque novamente.

Ajuda mesmo na hora em que o “mardito” fica naquele sai e não sai, e os gases começam a uivar dentro de você. Ensinei meu filho a fazer esse toque. Logo ouço um “‘tá saindo, manhê! ” (hahaha).

Para crianças com necessidades especiais, os cuidados são mais intensos. Caso use fraldas, abra e empurre as pernas levemente de encontro ao abdome, algumas vezes.

Faça massagens diárias, para incentivar a movimentação dos órgãos.

Passe pomada de calêndula ou óleo de amêndoas na saída, com delicadeza, e a ajuda de um cotonete.

Estimule a evacuação emitindo onomatopéias como “rrrãaaammm” e as outras todas que usa na hora H. Lembre-se de respirar com uma mulher no parto. Aqui, costuma funcionar.

Cuide da alimentação!

Bactérias alteradas podem machucar as paredes dos intestinos, provocar gases, dores e constipação.

Já falamos disso:

Orientações Médicas para constipação

FONTES

COMPOSTOS NUTRICIONAIS E FATORES ANTINUTRICIONAIS DO FEIJÃO COMUM – Revista – Arquivos Ciências da Saúde / Universidade Paranaense (UNIPAR)

BIODISPONIBILIDADE DE MINERAIS DAS FONTES LEGUMINOSAS – Revista Simbio-logias (Revista Eletrônica de Educação, Filosofia e Nutrição) / Unesp/campus Botucatu

FLATULÊNCIA E ERUCTAÇÃO / GASES – ABC da Saúde – Informações Médicas

BACTÉRIAS INTESTINAIS E SISTEMA IMUNOLÓGICO – O Mundo das leveduras /Laboratório de Microbiologia da UNESP – Campus Rio Claro

Ilustração e texto prof. emérito Lars Munck / Universidade de Copenhagen

Tem gente que não entende…

Demissão por flatulência

Read Full Post »

A constipação é normalmente causada por uma quantidade insuficiente de líquidos e fibras na alimentação.

Sem a quantidade suficiente de líquidos as fezes ficam endurecidas e com as extremidades ásperas, podendo causar fissuras, um pequeno corte doloroso no ânus.

Preocupação excessiva em ensinar o bebê a usar o “troninho”, estresse emocional (como a mudança para uma nova casa), introdução de novos alimentos ou muita gordura na dieta também podem contribuir para a ocorrência de constipação, assim como a falta de exercício adequado.

As crianças também podem ficar constipadas como resultado de prender as fezes.

Uma criança ativa talvez não queira perder tempo e interromper a brincadeira para ir ao banheiro. Quando isso acontece, as fezes retidas tornam-se desidratadas e duras, e a evacuação, dolorida.

A evacuação dolorida, por sua vez, faz com que a criança queira adiar ao máximo a próxima ida ao banheiro, para evitar a dor.

Até mesmo os bebês aprendem a reter as fezes para evitar a dor.

Uma assadura que provoque dor e ardência durante a evacuação pode fazer com que o bebê relute em evacuar.

O fator mais importante para determinar se seu filho está constipado é seu nível de conforto quando evacua.

Mesmo que seu filho vá ao banheiro todos os dias, fezes difíceis de evacuar podem indicar constipação. Outro indício é dor de barriga; a barriga da criança constipada pode ficar dura e sensível ao toque.

Como prevenir a Constipação Intestinal?

*Estimule seu filho a beber muita água mineral e outros líquidos, praticar exercícios físicos e comer uma dieta rica em fibras (frutas, verduras e cereais integrais devem ter um lugar de destaque no cardápio).

**Limite o tempo em que seu filho vê televisão!

***Estimule seu filho a conhecer e a responder rapidamente às suas necessidades orgânicas. Explique que prender a evacuação dificulta o movimento intestinal e causa dor.

As diretrizes alimentares citadas pelo médico autor do artigo sugerem as mesmas orientações fornecidas pelas mães desse tópico: água de ameixa (ou papinha de ameixa cozida), maior ingestão de frutas frescas e água e mais:

* Verduras verdes escuras em saladas no almoço;

** Uso de cereais (não farináceos) como aveia em flocos;

* Massagear o abdomen inferior do seu filho é reconfortante e ajuda a movimentar os intestinos. Massageie suavemente o abdome do seu filho, seguindo o movimento natural dos intestinos. Comece pelo “canto” direito inferior, suba na direção das costelas, pelo lado esquerdo e desça em direção à pélvis.

** Evite usar panelas de alumínio. É possível que traços mínimos de alumínio possam exacerbar a constipação.

Fonte:

www.drtorrent.site.med.br

Dica do blog:

Passe pomada para aliviar a dor da evacuação difícil e dolorosa. Calêndula é ideal pois é cicatrizante e retira qualquer dor.

Read Full Post »

As diarreias agudas são as principais causas de infecções em crianças nos países subdesenvolvidos.

No Brasil, são responsáveis por 25% das internações hospitalares, com elevada taxa de mortalidade (Ribeiro, 2000).

Após o nascimento e exposição ao meio ambiente, o tipo de alimentação é o fator que mais influencia a colonização e o equilíbrio entre as bactérias benéficas e patogênicas do organismo humano

No primeiro dia de vida, as primeiras bactérias que colonizam os intestinos do recém-nascido são enterobactérias aeróbias e anaeróbias facultativas, Bifidobacterium, Lactobacillus, E. coli e Enterobacterium. 

Á medida que essas bactérias se proliferam, tornam o ambiente intestinal adequado ao crescimento de bactérias anaeróbias (bifidobactérias, bacterióides e clostrídium), e dessa forma se estabelece a “microflora normal”.

Durante o desmame do bebê, quando são introduzidos alimentos sólidos, as bactérias anaeróbias passam a predominar.

No final do primeiro ano de vida, o número de bifidobacterium se assemelha em ambos os tipos de aleitamento (LM ou LA), e entre os 2 a 3 anos a microflora intestinal se assemelha a dos adultos, em número e composição (Vanderhood & Young, 2004).

Recém-nascidos que nascem de parto cesáreo geralmente têm a colonização intestinal retardada, ampla exposição á flora ambiental, e dessa forma adquirem mais bactérias anaeróbias e bacterióides, diferente dos nascidos por parto normal (Vanderhoof & Young, 2004).

Essas diferenças podem persistir pelo menos durante os seis primeiros meses de vida (Salminen SJ, 2002).

A microflora intestinal pode se alterar por vários fatores como o tipo de nascimento, doenças agudas ou crônicas, ingestão de medicamentos (antibióticos), mudança alimentar (leite artificial), estresse, interação com as bactérias intestinais ou com os produtos metabolizados por elas.

Padrões alterados da microflora também podem ser observados em crianças com alteração peristáltica, câncer, doenças hepáticas, anemia perniciosa, imunodeficiências ou submetidas á radioterapia (Mitsuoka, 1997).

Probióticos em Pediatria:

NUTRIÇÃO CLINICA

MAIS:

ALIMENTOS FERMENTADOS – MUITO ALÉM DOS IOGURTES

*

Read Full Post »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 398 outros seguidores